segunda-feira, 14 de abril de 2008

Sonho de consumo simplificado

É simplesmente um VIOLÃO:



É nego. Eu tinha o meu Eagle no Brasil, mas aqui não tenho nada. Não vou dizer que não tenho nada para tocar porque é garantia de que eu vou ouvir alguma gozação (trocadalho do carilho). Quero comprar um com corda de Nylon ou algum com cordas LEVES de aço que eu não estou afim de ficar com mão de pedreiro de novo, nem de ralar os dedos até os mesmos ficarem calejados.

Acho que um bom violão aqui custa uns 250 dólares, não sei como andam os preços no Brasil, mas esta e a média aqui. Dá para comprar um "para aprender" por menos de 100 dólares, mas venhamos e convenhamos que um violão à lá Tonante, ninguém merece. Uma vez, no colegial, venho um cara querendo me vender uma guitarra:

. Ravi, quer comprar minha guitarra?
. Qual a marca?
. Olha, é super legal, tem alavanca na ponte para os dois lados, três captadores, é duca;
. Cara, qual a marca?
. Ainda por cima tem micro-afinação, é preta, super bonita;
. Beleza, mas qual a marca?
. Tonante.
. Muito obrigado...

Não sou músico (sei meia dúzia de Riffs e toco Wish You Were Here inteira, mas sem o solo, de tão mixuruca que eu sou), mas Tonante é foda. Se você tem uma Tonante e não tem nada da CCE, ainda há salvação. Se não houver salvação também não faz mal, eu era feliz com a guitarrinha plástica do Arthur e não sabia.

Me deu esta gana de comprar uma guitarra depois que:

. Eu fui na casa do Curtis e toquei o violão da mulher dele (frase meio dúbia esta);
. Eu vi que todo mundo aqui toca Guitar Player (mas eu não vejo graça);
. Eu comecei a ouvir mais o Unplugged do Alice In Chains, algumas músicas mais acústicas do Pearl Jam e uma ou outra do Pink Floyd;
. A minha gana para finalmente aprender a tocar uma música que as pessoas possam cantar junto comigo e não só os solinhos de guitarra do Black Sabbath;
. E também que eu adorava ficar dedilhando o violão em casa e eu nunca mais fiz isso...

Agora é hora de ir embora.

Fui!

2 comentários:

Sergio e Marilena disse...

Vou aguardar uma pesquisa sua sobre os preços do violão. Se der olhe os preços de guitarra também. Meu marido tem uma Fender e estar todo triste de deixa-la no Brasil. E eu tenho que ficar pensando em um jeito de compensá-lo por esta "perda".
Eu não entendo nada de instrumentos musicais, mas o Sergio também não aceitaria a tal Tonante. Ele fala de duas marcas principalmente mas que eu só conheço a fender por sempre me deparar com ela pela casa (nao que ele toque!!!).

Marilena

Ravi disse...

Pode deixar que quando eu comprar a minha eu vou escrever aqui no blog.
Mas Fender é Fender, se der para trazer, melhor. Se colocar em um case "duro" o pior que pode acontecer é pagar excesso de bagagem, se for uma Fender americana, que custa fácil uma boa grana, pode ser uma boa.