segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Fim de ano (não na Globo que aqui não tem)

Olá amigos!

Hoje é o último dia do ano! Só vou escrever aqui ano que vem (eu adoro estas piadas sem graça nenhuma). Hoje vamos na casa de uns amigos para comemorar o fim de ano, é bem perto daqui, e a gente não deve congelar nem na ida, nem na volta. Agora está um dia bem bonito, um belo de um sol maravilhoso, e a temperatura do lado de fora é de -9 graus (sim, nove graus negativos).

Dizem que Calgary é assim. Fria que dói, mas ensolarada.

Bom, neste ano, como todos sabem, a gente veio para o Canadá. Estamos aqui há seis meses. Foi, é claro, uma das grandes mudanças da minha vida, depois do casamento, Arthur e de virar Santista depois de ser Palmeirense e Gremista (pode chamar de vira casaca, mas eu gosto mesmo é daquela música do Raul Seixas - "do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo"). Algumas coisas que eu descobri aqui no Canadá:

. É um povo que não sabe o que é comer bem (por isso que todo mundo fica doido quando vai em churrascaria);
. Aqui não tem padaria em toda a esquina, mas tem muito supermercado. E é uma cidade feita para quem tem carro, embora dê para se virar a pé e com o transporte público;
. Eu descobri o que é água dura. E que a água aqui é dura. E é por isso que acumula tanto mineral no meu umidificador de ar. Em lugares onde a água não é dura (sem sais minerais), os canos tendem a enferrujar mais (algo relacionado ao PH da água), vai ver que é por isso que em Santos a água costuma ter gosto de ferrugem;
. Ter lareira em casa é muito legal;
. E aqui o sentido da frase "lar, doce lar" ganha toda a sua amplidão. Nada como chegar da rua e entrar em uma casa quentinha, ligar a lareira e ficar vendo a neve do lado de fora. Aqui, a casa realmente é um abrigo, e a palavra "lar" ganha outro sentido. Só vindo e sentindo o frio de -15 graus do lado de fora para sentir isso;
. Lavar a roupa aqui é sensacional. Põe na máquina, lava tudo, põe na secadora a tambor. Em uma hora e meia sua roupa está lavada e seca. A única casa onde eu vi lavadora e secadora que nem aqui foi a do Chuck. Em casa a gente tinha aquela secadora da enxuta, mas não é igual a daqui;
. A TV aqui é uma droga;
. As revistas daqui não são iguais a do Brasil (pelo menos para mim, que assinava a Veja e gostava de ler a Quatro Rodas de vez em quando);
. Toda torneira tem água quente. É fácil entender isso quando a água fria sai a dois graus da torneira (fria é o cacete, é agua geladíssima, isso sim - você enche o copo de água e ele fica todo suado em volta, como se fosse água gelada);
. A Rogers Video é muito legal;
. Não tem jeito, mesmo estando aqui, a gente tem que baixar o Heroes da internet. Não conseguimos nunca ver no horário;

Eu tinha tirado um monte de fotos das teclas do controle remoto (Sleep, Stop, Play) para tentar fazer um negócio "cool" mas isto é muita frescura. As fotos estão aí:



Eu também fiquei brincando de tirar foto sem parar com a máquina fotográfica:



Esse aí é o combustível para a lareira:



Essa é a nossa cerveja barata, a Krill destas bandas:


(custa metade das outras marcas que são vendidas aqui)

Bom, Kb.Lo, Fabrício, respectivas e família estão em Guaecá agora me fazendo inveja, o Chuck deve estar por Santos, meu pai talvez (eu nunca sei onde ele está no ano novo), preciso ligar para todo este povo para botar a prosa em dia.

Metas?

Sei lá, tenho algumas:

. Quitar dívidas;
. Comprar carro;
. Visitar o Brasil;
. Visitar os amigos e família;
. Ligar mais;
. Ganhar uns dois aumentos de salário;
. Perder 200 gramas de peso (uma meta facilmente atingível que pode se traduzir como "não ganhar mais peso");
. Arrumar lenha de verdade para por na lareira;
. Aprender a patinar no gelo (que meigo);
. Ir esquiar um dia;
. Ir até o Lake Louise e ver como é que é por lá;
. Dirigir até Vancouver;
. Arrumar uma mesa de jantar para a sala com quatro cadeiras;
. Usar mais a aparafusadeira/ furadeira, já que ela é tããão legal mas eu praticamente não tenho onde usar;
. Ler revistas novas e não ficar lendo o mesmo Calvin e Haroldo dez vezes;
. Ir comer agora que eu estou com fome.

Isso aí amigos! Para todos, um feliz ano novo, muitas felicidades, tudo de bom em 2008 (cacetada, o tempo voa), saúde, dinheiro no bolso, e quem estiver no Brasil, perto da praia, vá até a mesma e veja a queima de fogos por mim.

Abraços!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

E nevou...

Olha o vídeo:


(obs: o Arthur vai se fazer presente no vídeo dando um belo de um grito - está tudo bem - não precisa chamar o orfanato nem a ambulância)

E olha a foto:



Pois é. E hoje eu resolvi tirar a neve da calçada de frente de casa. Moleza. Primeiro usei a "pá" (parece um pá de escavadeira) para tirar o grosso, e depois eu tirei o que sobrou com uma vassoura. Fiquei orgulhoso. Acho até que devia ganhar medalinha! O Arthur também me ajudou, mas ele estava mais interessado em escavar a neve do jardim e busca de um tesouro escondido.


Cool Runnings

Ontem a gente viu o filme "Jamaica Abaixo de Zero". Olha a foto aí:



ou aí:



Para quem não sabe, Calgary sediou as Olímpiadas de Inverno em 1988. Quem ler o artigo na Wikipedia vai ver que as olímpiadas foram muito importantes para a cidade, que esta foi "projetada" para o mundo e que se criou uma imagem dela que ia além dos (brokeback) cowboys. Pois bem, o filme se passa aqui, nesta época, quando um time de Jamaicanos veio competir no Bobsleigh, esporte onde se desce uma montanha em um carrinho de metal (ou algo assim):



O filme é de 1900 e bolinhas... O John Candy ainda era vivo (cacete, ele morreu há TREZE anos). Mas o filme é engraçado e se passa em Calgary, e em algumas horas dá para ver alguns locais da cidade. Vale a pena ;-).


Praia

Hoje, 11 da manhã, tudo branco de lado de fora por causa da neve e temperatura de -5 graus, e me liga o Fabrício, direto do Guarujá:

"Fala Ravi! Estou na praia" - na verdade ele falou direto com a Soraya, mas tudo bem - "está um calor de lascar, acho que 35 graus - estou é debaixo do guarda-sol!"

É, pois é! Tudo bem que lá deve estar quente MESMO, mas, snif, uma prainha agora seria bom...


Casa

Tirei mais umas fotos da casa...

Sala:


Sala e cozinha:


Sala, cozinha e sala de jantar:


Close da geladeira:


Almofada do sofá:



Para finalizar, hoje a gente foi passear de trem e também fomos ao cinema. Olha o Arthur e a Soraya:

(o Arthur olhando pela janela do trem, que ele adora)

Rio do centro da cidade:


Mais rio (o vidro do trem estava limpinho, limpinho):


Droga, eu tenho uma Canon:


E...
Curtas

. Descobrimos o canal 108 aqui em Calgary. É o canal lareira. O tempo inteiro, fica passando a imagem de uma lareira, para você deixar em casa, se você não tiver uma. Tem até som (da madeira estalando), e também o tipo de lareira muda, de tempos em tempos, acho que para não enjoar;
. Era a vez da minha vizinha de baixo limpar a neve mas eu não resisti e resolvi limpar, eu tinha que ver como é que era;
. Arthur:

. Soraya:

. Eu:


Bom, acabamos de acender a lareira. Vou voltar para o filme. Depois escrevo mais.

Fui!!!

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

As fotos da minha mãe...

... tem fotos da casa quando a gente mudou, dos caras da mudança, várias do Arthur, entre outras:


obs: tem uns filmes também, então talvez valha mais a pena clicar no álbum e ver direto no Picasa, onde os vídeos iram passar sem problemas...

Então é Natal...

... e olha a cara do moleque abrindo os presentes:



Ele adorou os seus presentes. Também, até eu gostei, e olha que fui eu que gastou o dinheiro - um galpão para guardar os trens, uma cachoeira, trilhos e trens, e também um Globo que minha mãe comprou. Agora está tudo ali montado na sala, no espaço que a mesa de jantar vai ocupar, quando a gente comprar uma.

Esqueci de dizer que a gente foi patinar! Olha a foto da Soraya:



Eu e minha mãe indo:



E eu fazendo pose:



E o Arthur no banco:



Em resumo, o Arthur mal conseguiu parar em pé e foi tentar escalar as paredes que ficavam em volta do rinque de patinação (tem umas fotos no álbum). Minha mãe caiu umas quatro vezes, mas em nenhuma se machucou. Eu quase caí umas dez vezes, e quando foi a hora de cair de verdade eu me machuquei um pouquinho (meu joelho), fora o ego ferido. A Soraya que já sabia alguma coisa e conseguiu andar direito - ela tentou me ensinar mas eu teimava em fazer do jeito errado, quando a gente for lá de novo eu vou acertar.

Detalhe que eles emprestam os patins de graça. Só precisa deixar a habilitação por lá. Para as crianças, eles emprestam os patins E capacete, que é para ninguém rachar o coco.

Isso aí. Hoje o dia está super bonito. Olha aí:



Devemos ficar em casa hoje. Está tudo fechado pela cidade e nem ônibus tem! Acho que hoje eu finalmente consigo fazer o tal do vídeo (tour) pela casa.

Abraços amigos!

Feliz Natal à todos!

Então é natal...

... e eu não vou colocar a letra da música da Fátima aqui - prefiro a versão do John Lennon, mas esta o pessoal do trabalho não aguenta mais também - malas - eles também não me deixam dirigir, mas eu já comentei isso.

Hoje, dia 24 de Dezembro, agradabilíssima temperatura de 2 graus em Calgary, sol e dia claro - pena que o sol se põe às quatro e meia da tarde. Agora, meia-noite e meia, e eu aqui escrevendo no blog e tomando um Red Label ao invés de ir para a cama - mas eu tinha que escrever, não tem jeito, virou hábito, ferrou-se.

Bom, vamos lá. Hoje, ceiamos, bebemos vinho, o Arthur dormiu vendo desenho, falamos com alguns familiares e amigos do Brasil, demos feliz Natal para todo mundo, e sacramentamos a nossa decisão de fazer a abertura dos presentes no Domingo, principalmente porque o principal beneficiado (Arthur) já tinha capotado. Eu nem posso me demorar muito escrevendo porque quero acompanhar o menino abrindo seus pacotes amanhã cedo.

Falando de ceia, foi completa, a Soraya que preparou tudo - tivemos um perú chamado Natalino, um lombo de um porquinho chamado Belém e no almoço eu fiz um bife de um boi cortado por um açougueiro chamado Jesus. Agradecemos à mãe natureza e pedimos desculpa por nos aproveitar da carne de outros animais (até parece), e mandamos brasa no Perú, no Lombo e na Picanha (quer dizer, a Picanha foi antes). Estava bom, só a farofa estava meio estranho, já que aqui farinha só na loja de produtos Brasileiros, onde eu não pude ir hoje. Não faz mal. Ficou bom mesmo assim!

Falando de casa, amanhã faço um videozinho... Enquanto isso, colocos as fotos mais recentes aí embaixo - e prometo mais atualizações amanhã, inclusive fotos do Arthur com seus presentes e um videozinho da casa, se a pilha da máquina fotográfica deixar.

Abraços amigos! Feliz Natal!!! Preciso ir dormir, Fui!

Fotos:

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Informações acumuladas...

... Um monte de coisa para falar:

. Fotos da casa nova;
. Um vídeo por fazer;
. Final de semana e patinação;
. Arthur, Natal, e todo o resto;
. Tombos!

Ainda hoje escrevo!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Árvore de Natal e outras coisas

Olá amigos!

A gente finalmente mudou e finalmente montamos a nossa árvore de Natal, e eu finalmente tirei as fotos (e finalmente coloquei na internet)! Olha a danada aí:



Bola amarela que eu peguei no trabalho (eles estavam distribuindo enfeites por lá):



Um certo menino que tem lá em casa brincando com os enfeites:



Soraya e Arthur super animados montando a árvore (reparem na cara de animada da Soraya):



Arthur impaciente e Soraya animada (vai entender esta família):



Mãe se virando com os enfeites (eta cordinha azul escorregadia):



Detalhe que agora a árvore tem luzinhas, mas a gente colocou ontem à noite e não deu tempo de colocar as fotos na internet. Ontem eu também fiz as compras do mês e fez um frio alucinante na hora que eu estava colocando as compras no táxi (aliás, nesta compra que eu comprei as luzinhas). Ontem eu também comprei os presentes para o Arthur - trens, para variar. Eu e a Soraya usamos o código "conversar com Papai Noel" para dizer se estamos indo comprar, se já compramos ou se estamos comprando os presentes.

And the home, sweet home?

Bom, essa era a nossa cozinha quando a gente chegou:



E agora está com uma cara bem melhor, mas o bonitão aqui esqueceu de tirar fotos, vou fazer isso hoje ou no fim-de-semana. Agora já temos:

. Portas nos quartos;
. Carpete por toda a casa;
. Tábua trocada na varanda (adeus prego exposto);
. Piso, privada e pia usável no banheiro;
. Tampas nas saídas da ventilação (aquecimento);
. Sabão para a lavadora de louças;

Ainda faltam umas coisas pequenas, como colocar um novo batente para a porta de entrada (na verdade não é um batente, mas sim um negócio de borracha para não deixar entrar vento da rua), e também colocar as persianas nos quartos e o vidro duplo na nossa janela.

Não sei se eu já escrevi sobre isso, mas a mulher que morava lá antes de mim era a Canadense mais porca que já existiu. Tinha craca acumulada na máquina de lavar louça, na máquina de lavar roupa, pelo de gato na ventilação e outras sujeirinhas que eu muito feliz removi. E, quando a gente foi ver o apartamento, ele precisava ser pintado e tinha cocô de gato por todo o carpete. A gente só alugou porque gostamos muito do formato do apartamento e porque o proprietário prometeu reformar tudo (e ele está mesmo fazendo isso). O mais impagável foi o dono do apartamento (e o cara que cuida da reforma, ENGENHEIRO MECÂNICO vindo do México trabalhando como faz-tudo para ganhar experiência) dizer que agora estava com cara de casa. Cheirinho de comida, paredes limpas, casa arrumada. Os dois foram bem rápidos em dizer que a mulher que morava lá antes era MUITO porca.

Ponto para a gente!

E agora está mesmo com cara de casa. Só falta mesmo uma mesa de jantar para a sala, a gente vai comprar uma depois quando a grana voltar a sobrar. Como é caro carne aqui. Ontem nas compras eu gastei mais de 100 dólares com carne, eu acho. Tudo bem que eu comprei uns seis quilos, mas mesmo assim - carne de frango e de boi aqui são mais caras, de porco o preço é similar. 15 dólares por um quilo de carne de primeira, seja de qual tipo for, em média. De porco o quilo custa uns 10 dólares. E tem uma carne que parece Picanha :-).

E agora com a varandinha eu preciso comprar uma churrasqueira e ir assar uma carne com agradáveis -10 graus do lado de fora. Ontem o motorista do táxi me disse que um dia estava tão frio, mas tão frio (-45 graus), que quando ele fechava os olhos as lágrimas viravam gelo e ele tinha que colocar a mão para esquentar e poder abrir os olhos depois. Não é mentira não! É frio!!!

Fui!

Escrevo-lhes mais depois.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Christmas Tree

Montamos a bichona! E até tiramos fotos!

Mas infelizmente ontem não deu tempo de colocar as fotos na internet e é por isso que eu coloquei esta foto de 1900 e bolinha aqui. Ontem eu e uns colegas de trabalho fomos fazer as compras de Natal. O Papai Noel aqui ficou meio espantado com o preço de algumas coisas que o Arthur quer, mas acha que por fim ele vai ganhar o que está na listinha, embora talvez a listinha sofra algumas adaptações.

O que eu queria comprar mesmo ontem, e acabei comprando, foi a árvore de Natal. Vai daqui, vê ali, saí com uma árvore, um jogo com 87 enfeites, 100 luzinhas de natal para colocar na varanda e também uma maldita cordinha azul e escorregadia para amarrar os enfeites. Mas ficou da hora. Vou colocar as fotos hoje, se eu tiver tempo, pois preciso passar no mercado que a gente está sem comida em casa.

Falando em casa, já tem privada e piso no banheiro agora. Tudo bem que o banheiro estava sem porta (!!!), mas o handyman aqui colocou ela no lugar em cinco minutos. A casa está quase completa, só falta pintar o banheiro e arrumar umas outras coisinhas pequenas. Mas está ficando com cara de casa, o que é mais importante.

E eu estou me sentindo melhor hoje, acho que é o espírito Natalino e o fato de eu ter dormido uma noite direta sem ser acordado, aleluia!

Ainda hoje (pelo menos no MEU hoje) tem mais coisa para colocar no blog.

Feliz Natal!!!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Será que...



... hoje a privada volta para o banheiro?

Outra coisa que eu esqueci de mencionar antes é que os quartos estão sem portas e a gente esqueceu de comprar o sabão para a máquina de lavar louça. Mas um pouco a cada dia, tudo vai se ajeitando. Tanto é que o piso do banheiro já está quase pronto.

E eu?

Estou meio tenso. Preciso das férias da semana que vem. O Arthur anda meio doente e a gente anda meio zumbi, porque dormimos em média menos de seis horas por noite. Hoje ele acordou sonhando que não ia ganhar o presente de Natal que a gente prometeu que (Papai Noel) ia dar para ele. Vamos ver se eu acho hoje tudo que a gente quer. Eu já comprei meu presente (a parafusadeira/ furadeira que me salvou o dia), e eu também preciso comprar um para a Soraya (ela já sabe o que quer), e alguma lembrancinha para minha mãe (eu acho que vou comprar no fim-de-semana).

O Arthur estava meio gripado e está com o que parece ser uma virose (leve), mas agora ele está bem mais animado do que no fim-de-semana, quando ele estava bem abatido. A gente até chegou a ir para o hospital na madrugada de Domingo para Segunda-feira, só para garantir que não era nada mais sério, e não era mesmo. Sobre o hospital, era o Alberta Children's Hospital, muito bonito e estruturado, mas infelizmente com poucos médicos, a gente esperou mais de três horas para ser atendido. Tudo bem que esperando em uma sala nossa, com cama, lanchinho e televisão - mas que demorou, demorou... No fim, só um resfriado e a febre que vem de brinde.

Nestes últimos dias a saudade do Brasil apertou um pouco. Não sei se é porque é época de Natal, se é porque é verão e fim de ano e nesta época a gente sempre passava um tempão em casa de amigos/ família, se é porque já fazer sete meses que eu estou aqui, se é porque está frio, mas eu sei que me deu mais saudades dos amigos ultimamente. De ir para a casa do Kb.Lo (e vice-versa), de não conseguir ligar para o Fabrício, de ir para um barzinho com o Chuck e a Alê e o povo de São Vicente (se bem que na maioria das vezes era só a gente mesmo), de ir jogar poquer na casa da Regina.

Eu também estou com um milhão de coisas para acontecerem e fico meio chateado quando as coisas demoram para acontecer, junta tudo no liquidificador, bota uma mudança no meio e você fica pensando "caramba, se eu estivesse no Brasil, será que as coisas estariam diferentes agora?".

Férias! Preciso de férias! E hoje eu preciso comprar os presentes de Natal e uma árvore!!!

E eu preciso dormir direito. Meu sono está atrasado uns cinco dias.

Fui!

E mudamos

E...

Era uma casa muito engraçada
Não tinha carpete
Não tinha nada
Ninguém podia entrar nela não
Porque o moço não deixava não
Ninguém podia dormir na rede
Porque na casa não tinha nenhuma rede
Ninguém podia fazer pipi
Porque privada não tinha ali
Mas era feita com muito esmero
Na rua dos Bobos
Numero 0

Chegamos lá com o caminhão e o moço do carpete ainda estava lá. Colocando o forro de baixo, nem era o carpete ainda. Bateu firme com o pé no chão, deu uma chacoalhada e disse "se colocarem alguma coisa aqui dentro eu pego toda minha formosura e vou embora". Calma, calma, não se desespere.

Colocamos tudo do lado de fora e algumas coisas no balcão (varanda) da nossa casa. Infelizmente (ou felizmente) não tiramos fotos. Lá pelas tantas o moço acabou uma parte da sala, colocamos o sofá e o colchão pra dentro e o Arthur foi dormir no sofá. Depois o moço do carpete (sic) terminou de arrumar a sala e a gente colocou o resto das caixas pra dentro.

Vantagens de se mudar em um dia com temperatura de 1 grau:
. As coisas de geladeira não estragam na caixa;
. Hmmmm. Acho que é só isso.

Privada? Pra quê? Estão instalando hoje. De ontem para hoje, se for número 2 vai no apartamento do vizinho (que está vazio, eles deixaram a chave), se for número 1 vai no pinico. E claro, não que a privada estivesse perdida, ela estava passeando no meio da cozinha enquanto eles trocavam o piso do banheiro (o anterior estava podre).

E tinha umas sujeiras tão com cara de "a mulher porca que morava aqui antes nunca fazia faxina" que a gente ficou impressionado. Mas estamos limpando, eles estão terminando a reforma e até Sexta-feira a casa vai estar 100% habitável. Assim esperamos.

Mas... Estamos gostando. A casa é maior, a cozinha é gostosa, a sala é bem grande e espaçosa, e ficou bem aconchegante com o carpete, a rua é tranquila, o lugar é bem silencioso, passa ônibus por perto, enfim, é bem interessante.

As próximas narrações virão com os próximos capítulos! See you!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Amanhã mudamos

E eu acabei de ligar para a empresa de mudança porque seguro morreu de velho. Ainda bem que eu liguei senão eles iam aparecer em casa nove horas da manhã, e não ia ter onde colocar as coisas na casa nova.

É incrível como aqui a gente usa tudo que a gente têm. No Brasil a gente tinha tanta tralha, mas tanta tralha, que a mudança tinha que começar duas semanas antes do dia D. Era tanta caixa com tralha que a gente usava e presente de casamento que depois de uns dias a gente nem tinha mais por onde andar. E, aqui, a gente quase não tem tralha. Fica bem mais fácil. Acho que 70% das coisas que a gente tinha no Brasil ficavam guardadas 99% do tempo. Aqui só ficam uns 20% guardados, e olhe lá.

Isso aí. Agora eu vou para casa desmontar as coisas. Santa parafusadeira.

Fui!

domingo, 16 de dezembro de 2007

Também tem fotos

Olá amigos. Conhecem a figura aí de baixo?


Ele adora ficar olhando para a câmera e tirando fotos. E até que está aprendendo, vamos ver quando ele tiver dez anos de idade :-).

Bom, hoje a gente resolveu ir até a nossa casa nova, queríamos ver se íamos conseguir entrar lá, mas infelizmente não foi possível porque a casa estava trancada. O que foi bom foi ver que dentro tinha um monte de escada e gente trabalhando para pintar e arrumar os defeitos do apartamento. Espero que fique tudo pronto logo. Olha a frente da casa aí:



Também tem que ter foto de pássaros :-). Parte #1:



Parte 2:



Foto de criança encapotada:



E o que mais? Ia escrever um monte, mas com uma cerveja a mais e também um tanto de SONO a mais, não vai dar para expôr muito as minhas idéias! Mas não faz mal, escrevo-lhes amanhã!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Frio...

A Ana Paula, do Colorida Vida, estava falando sobre o frio que anda fazendo em Vancouver e colocou uma referência para o meu blog, já que Calgary é mais fria do que Vancouver, eu resolvi falar um pouco sobre este novo conhecido aqui.

Primeiro, esta é a nossa previsão para os próximos 14 dias:


Olha, esquentou! Neste último final de semana o tempo estava uma delícia! Fez 2 graus no Sábado. Estou maluco? Nããão... No OUTRO final de semana fez -20 graus COM VENTO, gela até o umbigo. Depois de encarar AQUELE frio -5 graus ficam agradáveis, afinal o nariz não congela em 10 minutos nem a orelha fica doendo após ficar 20 segundos exposta.

Agora eu acho que está até gostoso. Já mudaram meus parâmetros. Dois graus que nem está fazendo hoje? Fichinha! Põe só o casaco e já tá bom. -20 graus com vento? Nem me vestindo de astronauta.

Um ponto positivo para Calgary, em relação ao frio, é o clima seco. A sensação de frio é menor. Em Vancouver, a sensação de frio é maior para a mesma temperatura, porque o ar é mais úmido e a troca de calor com o corpo é maior (eu acho)...

Fui!

QUAL SERÁ O TIME DO POLICIAL?

Devolveram a danada

Falei que não ia escrever mais, mas...

11:40 da noite, eu me preparando para ir dormir, me toca o interfone. Que porra? Atendo, achando que podia ser engano ou qualquer coisa do tipo, e digo:

"Yeah?"
(do outro lado) "Yeh, Hmmm, listen, is your name Ravi?"
"Yes, it is"
(murmurando) "Hmmm, do u know, me and my buddy we found your wallet. Can you bring me some cash for the gas and I'll give it back to you?"
"Ok"

Botei uma roupa e fui até a porta. A mulher era meio estranha (parecia a Sally Field, mãe do Forrest Gump, dez vezes mais magra e com cara de doente), mas não é que ela estava mesmo com a minha carteira? Ela me disse que achou a mesma perto do SafeWay e que veio me devolver. Abri a carteira e estava tudo lá, exceto é claro o passe mensal do ônibus, este já era mesmo. Dei 10 dólares para ela pela gentileza, agradeci e voltei para casa - pode ter sido ela como não pode, ela pode conhecer quem achou a minha carteira primeiro como pode não conhecer, existem n possibilidades, mas foi delivery! Carteira entregue em casa! Poxa, valeu os dez dólares.

Melhor ainda seria não ter perdido, mas aí já é outro papo. O que importa é da lista original só ficou faltando o passe mensal - dos males, o menor.

Fui!

E dizem que o mundo perdeu a sua finesse (não entendeu? veja Duets).

obs: Os treze centavos também foram surrupiados...

Festa de natal na escola

Hoje foi dia de festa na escola. Festa de fim de ano. Olha o vídeo do Arthur com as outras crianças:



Eu também tirei várias fotos. Está tudo aí embaixo:



Infelizmente já está meio tarde e não vai dar para escrever muito sobre a festa! Amanhã escrevinharei, prometo-lhes :-).

Minha carteira...

... não foi devolvida. Passei no SafeWay ontem e perguntei se eles tinham achado, mas nada. A mulher me mostrou quatro carteiras, pretas, e nenhuma era a minha. O pessoal do meu trabalho disse que, como eu perdi a carteira em Downtown (centro da cidade), a probabilidade dela ser devolvida é menor.

Infelizmente.

Faltou uma coisa na lista de antes que foi o cartão da locadora. Já estou com outro cartão do banco. Mas fiquei meio chateado de ter perdido a carteira, snif, e mais ainda de nào terem devolvido, sacanagem...

Bom, falando de coisa boa, hoje saiu o WP da Soraya. Agora ela pode trabalhar e ela e o Arthur agora estão autorizados a ficar no Canadá até Junho do ano que vem, quando expiraria a minha WP. Show de bola.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Buááá... Perdi minha carteira

Tem que ser eu mesmo. Semana passada, foi a chave. Hoje, foi a carteira...



Perdi no supermercado. Reproduzindo passo-a-passo o que aconteceu:

5:02 PM, T-48: Saio do escritório e pego uma carona até o trem;
5:04 PM - 5:25 PM: Trem até o centro da cidade;
5:25 PM - 5:26 PM: Soneca no trem entre uma estação e outra;
5:30 PM: Chego no mercado;
5:30 PM - 5:40 PM: Compro tudo - mas ainda falta o suspiro (é, aqui tem);
5:40 PM - 5:50 PM: Passo por todas as prateleiras e não acho o suspiro;
5:50 PM (provável hora do ocorrido): Vou até o telefone público, DENTRO do mercado, ABRO a carteira (foi a última vez que eu vi a mesma), pego duas moedas de 25 centavos e ligo para casa para perguntar onde está o suspiro;
5:55 PM: Pego o suspiro;
5:56 PM: Percebo a ausência da carteira - a partir deste momento eu:

. Perguntei para o segurança do mercado que estava do lado do orelhão e ele disse que não viu nada - e também disse que ninguém lhe devolveu nada;
. Fui para o atendimento ao consumidor e perguntei - mas nada;
. Fui ver dentro do mercado e fora para tentar achar a carteira - e não vi nada.

Depois de repetir o ciclo acima umas quatro vezes decidi ir embora para casa. A definição da loucura é fazer a mesma coisa repetidas vezes esperando um resultado diferente. Vamos contabilizar o que foi perdido:

. Cartão de descontos do SafeWay - fácil fazer outro;
. Minha carta de motorista daqui - não deve ser complicada fazer outra;
. Meu RG de quando eu tinha 14 anos de idade - esse já era, mas também o coitado já estava na sobrevida;
. Meu cartão de acesso ao Heritage Park - a gente provavelmente não volta lá neste ano;
. O cartão do banco - já cancelei e amanhã eu pego outro direto na agência;
. Meu cartão de senhas do Banco Real - duvido que alguém vá conseguir fazer alguma coisa com aquilo a partir do Canadá;
. Meu cartão do Alberta Health Insurance - vou ter que fazer outro, deve ser de graça;
. 13 centavos;
. O passe mensal do trem (e bumba) - era a coisa mais cara na minha carteira - deve valer uns 40 dólares.

Acho que é só. A carteira em si já tinha fita crepe em alguns pontos, coitada. Já era sua hora. Mas que merda. Vou ter que tirar tudo que é documento de novo. Que bosta. Primeira vez na vida. Espero que me devolvam, e que não tenha sido algum morador de rua a encontrar a mesma (me desculpem os que achem que isto é preconceito, mas venhamos e convenhamos que a probabilidade de "aproveitar as oportunidades" certamente é maior entre quem não quer trabalhar). Se alguém fizer a rapa (coitado, só vai poder pegar o cartão do ônibus), que não jogue a mesma no lixo, mas na rua, e que algum bom samaritano a veja e me ligue. Tomara :-).

Fui!!!

Todo vídeo do governo é tosco?

Browser does not support plug-in

Se bem que o tema é até interessante...

Eles falam de "neve até o joelhos" nas calçadas de quem não fez o dever de casa (limpar a calçada). Já pensou? Calçada com neve é realmente chato, fica tudo escorregadio e desnivelado. Limpinha é uma beleza, nem se escorrega, nem fica fazendo "nhec nhec" quando anda (barulho do pé na neve).

Fui!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Perna inquieta

A Soraya diz que eu tenho a síndrome da perna inquieta. E o pior é que eu tenho mesmo. Segundo a Wikipedia, é "a condition that is characterized by an irresistible urge to move one's legs.". É isso mesmo. Às vezes eu não consigo ficar sem mexer a perna. É como se a batata da perna tivesse vida própria e resolvesse se contrair quando dá na telha. Mais ou menos como se fosse um tique nervoso, mas na perna. Sabe quando você nasce torto? Então... Eu não consigo fazer poli-tamanco, esbarro em tudo (mas estou melhor nos últimos tempos), sou cabeçudo, sou meio azarado com algumas coisas mas sortudo em outras, ando com os pés abertos (parecendo um pato) e nos últimos tempos ando tendo Burcite.

É, os meus cinquenta anos prometem (e olha que ainda faltam 21 anos para eu virar um cinquentão).

Quando eu tinha 10 anos eu sonhava com meus 18 anos (que chegaram em 1996). O ano 2000 parecia uma eternidade, e eu me perguntava se eu teria barba nesta época. O destino, sendo como ele é, me fez nascer a barba mais sem vergonha que já existiu. Eu me perguntava outras
coisas, se eu já estaria dirigindo legalmente, se o Brasil seria penta, se o Lula seria presidente (eu era uma criança ingênua e acreditava em Papai Noel).

Acho que até tinha me passado pela cabeça morar fora do Brasil, mas eu acho que nunca tinha imaginado morar no Canadá. Nunca imaginei que ia morar em um lugar onde neva muito, onde o gelo fica presente nas ruas por meses a fio e onde uma goteira forma estalactites.

Bom, vou voltar para a minha série de TV. Até mais...

Que coisa...

EU PRECISAVA TER ACABADO ESTE POST, ele ficou muito pela metade...

Vai ficar...

Que coisa...

Nevou de novo hoje

Lá na minha vizinhança só cai neve sem vergonha. Deve ter nevado uns 2 centímetros. Agora, aqui, perto do meu serviço, nevaram uns respeitáveis seis centímetros. Tudo branquinho e lisinho.



Ontem eu fui na locadora, aluguei um monte de Desperate Housewives, um filme japonês estranho, um filme chamado Quatro Irmãos e cometi o pecado mortal de alugar só um filme para o Arthur. Tudo bem que foi o Expresso Polar, que ele adora - mas nem deu quinze minutos de filme e ele inventou que não gostava mais do filme e queria ver outro. Hoje eu vou na locadora de novo, alugar alguns filmes para ele e também para pegar o Ultimato Bourne, que eu queria ter visto no cinema mas não deu.

Em casa estamos nos preparando para a mudança, de vez em quando as nossas manias se cruzam mas no geral estamos indo bem (está todo mundo vivo). A mudança vai ser na próxima Terça-feira, 18 de Dezembro. Como será que vai ser a casinha nova? Tomara que o chão da cozinha não seja tão frio quanto o do nosso apartamento atual. Estamos na torcida para que dê tudo certo e que todo e qualquer vestígio da antiga inquilina (e seu gato) sejam para sempre removidos do nosso novo recinto :-).

Neste Sábado eu comprei um bom par de luvas, e hoje eu não precisei vir para o trabalho com a mão no bolso. Como eu disse mais acima, aqui neva mais do que em casa, e hoje eu tive que andar MESMO no meio da neve, e foi da hora - a única hora que não foi tão legal foi quando entrou um pouco de neve na meia, mas paciência.

O menino está aprendendo Inglês bem mas em casa ainda prefere falar Português e ver filmes na língua Lusitana, se assim for possível. Ainda bem, porque o papai mala já pede para repetir em Português quando ele vem falar alguma coisa em Inglês - eu não quero que ele esqueça o Português e também gostaria que a gente falasse Português em casa. Eu sou um imigrante, sou, mas quero manter a minha língua natal em casa, ora pois.

Se eu tento esticar na cama ele sempre vem me acordar. Ontem ele deitou em cima de mim e deu uma bela de uma espirrada nas minhas costas (eu durmo sem camiseta). Tem certas coisas que o amor de pai faz ignorar, e eu nem liguei :-). O menino está meio levando, está meio com tosse, e ontem à noite eu tive que limpar o umidificador de ar porque ele estava com "excesso de minerais" (que vão ficando da água que evapora).

Ontem e hoje temperaturas agradáveis que variaram de 5 graus negativos até 0 grau(s?). Por incrível que pareça, é agradável. Tenho dó dos Brasileiros que vão chegar no meio de Fevereiro, quando faz -30 graus. Estes estão fritos.

Bom, ia escrever mais, refletir mais, mas já está bom. Nossa, lá se vão dois anos do Show do Pearl Jam no Brasil. O tempo voa!

domingo, 9 de dezembro de 2007

Curtas, parte 148

Quando eu fico um tempo sem escrever e depois disso não tenho um tema específico sobre o que dissertar, dou o título genérico de "Curtas" e escrevo sobre as pequenas coisas que aconteceram durante a semana :-). Vamos lá...

Máquina fotográfica

Comprei a máquina fotográfica para a minha mãe. É essa aqui. A câmera é da mesma marca que a minha, e mesmo sendo bem mais barata (porque o zoom dela é de 4x e não de 12x), tem uns recursos bem interessantes pelo fato de ser mais moderna. Um deles, que a minha alma nerd adorou, é a detecção de rostos. Se na hora que você for tirar uma foto tiver um rosto na mesma (manja "gente", então...), aparece um quadradinho em volta do rosto e você pode ter certeza que o mesmo estará em foco. Sensacional. E mesmo que a pessoa se mexe, o quadradinho seguirá por lá, a seguindo.

Bom, o que importa é que ela já tirou umas fotos e colocou na Internet. Esse é o seu primeiro álbum:



E esta é a página: http://picasaweb.google.com/biaambros

Mudancia

A nossa mudança será feita no dia 18 de Dezembro. Já liguei para a empresa que faz a mudança, nove horas da manhã eles estarão aqui em casa e o quanto antes a mudança acabar, melhor, já que eles cobram por hora :-). Nosso endereço novo será:

Ravi Ambros Wallau
2416 31 ST SW, upstairs
T3E 2N5
Calgary, AB, CA

Um quarto a mais, lareira, uma entrada privada, máquina de lavar louça, máquina de lavar e secar tudo junto, geladeirona, acho que vai ser mais legal.

Uma vez a gente estava em Santos (ou São Paulo, eu sei com certeza que era no Brasil), e passa um caminhão de mudancia - devia estar tudo empilhado, uma pilha horrorosa, com uns três metros de altura, cachorro, gente, tapete, quadro do Roberto Carlos, tudo junto. Eu falei para a Soraya, isto é uma "mudancia" mesmo!

Gelo

Tem algumas coisas com o frio que são impagáveis poraqui. Uma delas é que uma goteira em um telhado forma um calombo de gelo no chão. Aquele negócio vai crescendo, crescendo, porque cada gotinha vai se "empilhando" no gelo que já estava no chão. Ontem, no WalMart, tinha um lava rápido e eu percebi que tinha uma vasta trilha de gelo na saída deste. O carro sai molhado, pingando, a água escorre e vira gelo. Mas era liso que era uma beleza. O Arthur dentro do carrinho de compras, eu me apoiando no carrinho, a Soraya se apoiando em mim e minha mãe se apoiando na Soraya. Mas o gelo estava uma lisura que só.

Bom, agora eu foi até a locadora devolver uns filmes e alugar outros. A gente não foi ontem porque ficamos com preguiça. Agora é hora. A temperatura está agradável lá fora, apenas dois graus negativos com sensação térmica de -6.

Bom, fui!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

E-Mail que eu recebi hoje...

RAVI, volte para VEJA e ganhe 2 pares de sandálias.

E-Mail que eu recebi hoje...
What the f***?

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Curtas

Hoje tem festa da empresa. Boliche, vamos ver se eu consigo chegar nos 120, 140 pontos que eu fazia antigamente. E vamos ver se depois eu consigo escrever alguma coisa, porque no Brasil era difícil depois de duas horas jogando.


O meu escritório atualmente é bem grande, em uma área industrial - mais parece um galpão bem grande, em que só alguns (bem poucos) escritórios tem janelas. Eu trabalho em uma sala bem grande com outros seis ou sete pessoas (que não tem janela). A minha sala fica mais "aquecida" justamente porque fica longe das janelas. As salas mais frias são as que ficam perto das janelas, que tem mais "contato" com o mundo exterior. Lá trabalha a mulherada. Mulher sente mais frio do que homem. Elas resolvem aumentar a temperatura do andar inteiro e a gente sofre na nossa estufa (não é sauna gay).

Eu sofro particularmente mais porque venho com três calças. E eu sempre passei calor nos escritórios, exceto na COSIPA, onde a gente mandava no ar-condicionado. A mulherada não gostava muito, mas era mais fácil para elas colocar um agasalho do que a gente convencer o guardinha da recepção a deixar a gente entrar de bermuda e regata.


Sábado a gente começa a arrumar as coisas para a mudança. Vamos comprar umas caixas de plástico (grandes) no WalMart (porque aqui é mais barato do que caixa de papelão). Eu ia fazer a mudança por conta própria, mas para poder fazer isso eu preciso ter carta - e o Indiano f.d.p. da auto-escola aqui do lado me disse que aula de direção, só se for de duas horas pra cima. Também pesou o fato de que a temperatura na época da mudança a temperatura vai estar por volta de vinte graus negativos e fazer força, à esta temperatura, não é das coisas mais agradáveis que existem. Eu vou é contratar uma empresa de mudança, vai me custar uns 200 dólares, mas eles se viram com tudo. Só tenho que desmontar e montar tudo de novo depois.

Bom, vou tomar uma água porque o ar aqui está seco que só. Coisas do aquecimento.

Fui!

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Eu já aprendi a dormi no trem

... tanto é que hoje eu só fui acordar no ponto final. Eu usei a capa do mitten para apoiar a cabeça e dormi antes do trem sair do centro da cidade. A gente não anda dormindo muito bem à noite, acho que é espectativa da mudança, sei lá - o fato de que a gente tem que cobrir o Arthur de hora em hora também entra na conta para o nosso cansaço matinal - mas de manhã eu estou um bagaço, mesmo depois de nove horas de sono. Acho que vou ter que começar a dormir mais :-).

Neste final de semana vão inaugurar uma continuação da linha de trem. Fudeu! Meu ponto não vai mais ser o ponto final. Já estou vendo eu acordando todo dia nesta estação e tendo que dormir mais cinco minutos até o trem voltar (vai ser uma dificuldade fazer isso)!

Eu vejo o povo de manhã acordadaço (lendo jornal, lendo revista, olhando a paisagem, tirando foto, jogando papel, derrubando café no chão, coçando o nariz) e fico pensando porque sempre sou eu que fico o pó da rabiola em trens e ônibus. Eu sempre dormi que foi uma beleza no transporte público.

Pra que ser humilde? Eu sempre dormi que foi uma beleza :-)

Pior que é com oito horas de sol por dia dá uma vontadeeeee de passar o dia dormindo (principalmente porque quase não tem dia)...

Frio

É, está frio!

Domingo a gente foi no WalMart e eu passei um frio danado. Primeiro porque eu peguei um carrinho abandonado no meio do caminho e coloquei o Arthur dentro (aqui o pessoal faz isso, compra as coisas, pôe no carrinho, anda com ele até o ponto de ônibus e larga o coitado por lá). Na hora me pareceu uma boa idéia para dar um refresco para o menino, mas não me toquei de que o carrinho estava enterrado na neve e que a sua temperatura era a temperatura ambiente, ou seja, -18 graus. O maldito estava frio que só, e como o chão tinha mais gelo do que asfalto, ficou difícil fazer o mesmo andar em linha reta.

Cheguei no mercado com as minhas mãos geladas. Minhas próximas "aquisições de inverno" serão:

. Uma calça de baixo, modelo broxante, feita de lã OU uma calça de neve, modelo "eu não sou daqui";
. Uma luva que tenha um forro térmico bom o suficiente para o mês de Fevereiro, quando a promessa é de 30 graus negativos para baixo;
. A Soraya também quer umas luvas forradas - acho que ela vai ceder e cedo ou tarde vai querer uma calça de neve também;
. E, para mim, para fechar com chave de ouro, meu sonho de consumo, uma máscara de esqui (máscara ninja) ou um gorro de esquimó, daqueles que cobrem a orelha. Mas acho uma máscara ninja é mais legal - cobre o nariz que é meu ponto fraco (se eu não tivesse nascido narigudo e orelhudo talvez a história fosse diferente).

E também está tudo branco. Impressionante. É uma coisa lógica, mas se não esquenta, a neve não vai embora. Ela não "escorre" que nem água, apenas fica ali, parada. É bonito, bem bonito, quando se vê uma vasta área toda branquinha. Eu já me acostumei a andar por cima da neve, mas preferia apenas vê-la, e não ter que caminhar por cima daquela maçaroca (ela ainda não virou merda branca, talvez em um ou dois meses ou quando eu começar a dirigir). O frio que está me incomodando um pouco, a gente fica meio limitado no que pode fazer, especialmente porque (ainda) não temos um carro aqui. Um dia ele vem!

Aqui na esquina do trabalho tem um trecho de asfalto onde a neve derreteu e depois congelou de novo. Ficou um sabão só. Todo dia eu passo lá pianinho e todo dia eu tomo um belo de escorregão. Mas até hoje meu único tombo foi porque eu estava aprontando.

Os indianos da auto-escola aqui do lado mudaram as regras do jogo e disseram que aula para fazer o exame de direção, só se for dupla. Sem ser dupla, não rola. Como a economia de fim de ano está no grau máximo, mandei aquele povo todo à merda e fui passear. Vou fazer a prova "a frio" mesmo com o carro do meu chefe, ele já me emprestou duas vezes - talvez ele fique meio chateado ao saber que eu dirigi o carro dele com carta 7 (teoricamente não poderia), mas vai saber, este também é o carro B dele.

Brincadeira. Carro é carro. Ainda mais de chefe.

O Bujas pediu para eu escrever algo sobre o Corinthians ter ido para a segundona do Brasileirão. Vou copiar a frase do Cassaniga:

"Treinou na sexta. Viajou no sábado. Jogou no domingo. voltou na SEGUNDA!"

Foi mal Chuck! Mas ano que vem vocês voltam.

Hora de trabalhar.

Fui!

Deve ser de mentirinha...



... o "Neto" dando o esporro em um camelô!

sábado, 1 de dezembro de 2007

Mais neve, mais frio e bastante coisa para escrever

Hoje, mais uma vez, a gente perdeu a chave de casa. É a terceira vez. Uma vez eu perdi as chaves (no primeiro dia aqui), na outra vez a Soraya deixou na escola mas eles encontraram a chave e devolveram, e hoje eu acho que a gente deixou na porta.

Pois é. Chegamos em casa (a gente percebeu que estava sem a chave no ônibus), e encontramos a porta trancada e uma garrafa de água semi-congelada do lado de fora. Eu fiquei super encanado, achei que tinham roubado alguma coisa, alguém entrou, levou alguma coisa e trancou a casa. Depois de muito fuçar do lado de dentro e do lado de fora, e de já ter chamado o cara que veio com a chave "master" e abriu a porta, percebi que:

. Nada de valor estava faltando na casa (olhando pela janela deu para perceber que o notebook estava no lugar - se não levaram o notebook, não levaram mais nada);
. Se alguém trancou a porta e levou a chave embora não foi um bom samaritano. Porque não deixou aviso em lugar algum;
. Se não me devolverem a chave amanhã vão acontecer duas coisas - eu vou ter que mandar trocar a fechadura porque eu tenho 90% de certeza de que eu deixei a chave na porta - e a secretária da empresa vai querer me espancar porque eu perdi pela segunda vez a chave eletrônica da porta da empresa;
. Se me devolverem a chave amanhã eu vou ficar muito feliz e perguntar porque não devolveram antes.

Pois é. Isto foi a nossa chegada em casa. Ficamos no corredor por um bom tempo até o cara que cuida das "emergências" do nosso prédio chegar. Ficamos 75 dólares mais pobres (malditos). Um cara do meu trabalho que me mandou uma mensagem logo depois de eu ligar o computador me disse que a gente deveria esconder uma chave em um lugar secreto. Olha, estou pensando seriamente nesta possibilidade.


Bom, já que parece que o Chinook de Segunda-feira não vem mais (a previsão do tempo mudou de idéia), vamos falar do frio de hoje e como as coisas mudaram por aqui. Olha como era a minha rua há uns meses:



E olha como ela está agora:



Não é exatamente o mesmo ângulo, mas dá para ter uma idéia. Este é o parquinho do Arthur, está tão branquinho que até parece propaganda de sabão em pó:



E este é o moleque no parquinho:



Hoje quando a gente saiu do ônibus e foi no parquinho eu não cobri o rosto com o cachecol, e o Arthur ficou enrolando na rua. Eu juro que eu comecei a sentir umas partes do meu rosto meio adormecidas. Hoje estava frio, acho que fez -20 graus durante o dia. Agora a temperatura é de -19 graus, mas com o vento de 15 km/h a sensação térmica é de -28 graus. Até o pessoal daqui está falando que está frio, então agora eu posso dizer que eu já senti o frio do Canadá para valer. E, olha, é frio, até minha mãe falou que nunca na vida iria conhecer um lugar onde fizesse tanto frio. Falando nisso, tias Marília, Helenita, Maria Luíza e Tio Juarez, olha a gente:


(a minha idéia era a tirar a foto mais de perto, mas não deu para tirar muitas fotos hoje que estava muito frio para deixar a câmera a mão, eu sinceramente tive medo dela parar de funcionar)

Foto de capa de disco:




A janela da minha sala (e da minha cozinha) não tinham vidros duplos, apenas um vidro simples. Eles arrumaram a janela da cozinha, mas a da sala ainda não. Resultado:



Falando em sala, Soraya alimentando a criança e os dois vendo algo muito interessante na televisão:


(pela cara deles parece que não é coisa boa, mas é só desenho)

Mas mesmo com o gelo todo e a cara séria do Arthur e da Sô a gente vai indo bem. E a casa vai indo quentinha. Mas olha, é frio. É frio mesmo. Impressionante. Ontem eu estava de carona e o motorista jogou água no pára-brisa. Mas como ele tinha esquecido de trocar a água do reservatório pelo "líquido de inverno", a mesma congelou no mesmo momento que encostou no pára-brisa. Foi preciso muito ar-quente para fazer o gelo virar água de novo e ir embora.


Nesta mesma carona foi preciso abastecer o tanque do carro. Chegamos no posto de gasolina e eu disse "cara, posso abastecer o carro?". Mesmo com uma cara estranha, meu amigo me deu a bomba e disse "ok, manda brasa". Aí eu expliquei que era a primeira vez que eu abastecia um carro (ok, Kb.Lo, pegava na bomba), e que no Brasil não existe posto self-service - eu precisava explicar para não ficar tachado de louco ou doido. Em relação à abastecer o carro nada demais, exceto que eu sou meio mongo e derrubei gasolina na minha luva.

No fim, só tinha UMA mulher trabalhando no posto de gasolina, e quando eu disse que a média de funcionários de um posto médio no Brasil é de dez para cima, ele fez uma cara assustada e eu disse que são os males de um país cheio de desempregados (e onde não existe a cultura do faça-você-mesmo).


Hoje a gente foi no McDonald's. A operação do McDonalds aqui é internacional. Em uma loja, é da Índia, em outra, da China, e poraí vai. O que fala um pouquinho de Inglês fica no caixa, os outros fazem os trabalhos que não envolvem contato com os funcionários e se comunicam entre si no seu idioma original. É assim em vários estabelecimentos diferentes, mesmo no meu trabalho. Quando eu falo para um Chinês ajudar o outro, eu falo "fala em Chinês mesmo", porque eu sei que rende mais.

Faz alguns anos alguém teve a magnífica idéia de colocar luvas nos funcionários de lanchonetes para que a operação seja mais "higiênica". Acho que talvez a idéia original fosse até boa, sei lá, uma luva para mexer na comida, outra para limpar o chão e outra para o banheiro. Mas não fazendo como o Chinês que eu vi hoje. Olha só:

. Ato 0, começo do dia, bota as luvas cirúrgicas;
. Ato 1, assoa o nariz em um guardanapo, vira ao contrário, assoa mais, limpa bem, joga fora;
. Ato 2, repõe os guardanapos;
. Ato 3, limpa o chão;
(sempre com as mesmas luvas)
. Ato 4, pega o pano de chão com as luvas e esfrega na parede;
. Ato 5, vai para o banheiro e eu nem quero saber mais nada depois disso.

Agora, me diga, alguém lava a mão com as luvas? Não era melhor deixar os funcionários sem as luvas e fazer com que eles lavassem as mãos de vez em quando? Acho que todo mundo pensa que sujeira não gruda na luva, mas não é bem assim. Limpeza não é só limpar, mas é limpar certo e garantir que fique tudo "isolado".


Já está bom de escrita. Bom Domingo à todos. Dia de ligar para os amigos e família. Fui!