quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Toda vez que esfria e neva eu fico com saudade do mar. Semana que vem eu vou para o Brasil, e acho que vai dar para matar a saudade do mar.

Fui!

Resoluções de ano novo

Eu devia colocar as resoluções do ano novo passado aqui e fazer a lista de quais eu cumpri e quais não, mas deixa para lá. Aqui vai uma lista de resoluções fresquinha:

. Ir morar em uma cidade que tenha um clima mais agradável, e que seja mais cosmopolita do que a minha amada Calgary da roça; A idéia ainda está de pé e deverá ser a maior mudança de 2010;
. Deixar de fingir que vou fazer exercícios e começar a fazer exercícios de verdade;
. Prestar mais atenção no que acontece à minha volta, em casa, com os amigos e no trabalho;
. Eu ia colocar uma viagem que a gente quer fazer aqui, mas vou deixar para a Soraya colocar nas resoluções dela quando ela as escrever;
. Me preocupar menos com como as pessoas estão passando à minha volta, ou, melhor ainda, deixar de perguntar e passar a perceber (relacionado ao item "Prestar mais atenção");
. Comprar uns CD's de músicas que eu ando querendo comprar faz um tempão - eu sei que é uma resolução meio besta, mas eu raramente compro este tipo de coisa, e eu gosto de CD's;
. Viajar mais; Sempre, sempre, viajar mais;
. Ler uns dois ou três livros relacionados à minha área de trabalho;
. Trocar a água do Beta uma vez por semana, já que o bichinho já vai entrar no seu segundo ano de vida;
. Ir em algum show de música dos bons, algum que a Soraya curta bastante.

Acho que é só isso por agora. Eu sei que vou ter outras idéias, mas isto é o principal.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sean go home

Acabou o caso do menino Sean. Bom, se o presidente do Supremo Tribunal Federal disse que ele tem que ir com o pai, acho que nem o meu amado Presidente da República poderia dizer o contrário.

Ainda bem que ele não pode - até expulsar jornalista do Brasil ele já expulsou.

Existe a lei.

Existe o pai.

Existe a mãe que levou a criança embora e pronto, o pai que se exploda.

Existe o direito de guarda do pai - já que existe a lei - e nunca foi escolha do pai que o filho fosse levado embora.

Existem poucas coisas na vida que são mais simples do que isso. Eu não entendo como um juiz que estuda a lei veta uma decisão baseada em lei - se eu fosse o chefe dele, para mim é que não ia trabalhar - de que vale um juiz que não sabe julgar?

Eu literalmente fico de queixo caído...

... com o povo do Rio fazeando passeata para que o menino fique no Brasil (mas eles achem que fazer passeada de branco vai tirar os traficantes do morro, vai saber?);
... com juiz ignorando a lei;
... com o Lula (eu sempre falo mal dele quando tenho a chance, eu não gosto daquele barbudo);
... com isso tudo! Peloamordedeus, isso é um absurdo. É hipocrisia, simples e pura.

Não é porque os Estados Unidos é pior ou melhor do que o Brasil (tudo é uma questão de perspectiva), é porque ele o PAI e fim das contas.

Espero que a justiça continue a prevalecer amanhã.

Fui!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Up in the air

Up in the air (Amor sem Escalas no Brasil, eu odeio o que eles fazem com os títulos dos filmes) é o nome do filme que estréia George Clooney como o funcionário de uma empresa de consultoria especializada em demitir pessoas - basicamente, ele viaja pelos Estados Unidos para demitir funcionários de uma maneira mais "humana" ou simplesmente para tirar esta obrigação do chefe do novo desempregado.



Eu nunca consigo passar para o "papel" o porquê de eu achar um filme bom ou ruim - eu sempre fico com a sensação de que eu consigo lembrar um milhão de motivos, mas tudo se resume à isto:

- O filme é duca.

É um filme de "pessoas", baseado em diálogos, situações, relações. George Clooney interpreta uma pessoa sozinha, mas não solitária, que de uma hora para outra quer criar uma conexão com outra pessoa parecida com ele. Ele é uma daquelas pessoas que sabe o que faz profissionalmente - como se fosse um "conselheiro" que não parece um robô. A virada do filme acontece quando uma garota mais nova, bem intencionada e com energia para mudar as coisas aparece em cena, mas ela é uma daquelas pessoas que "seguem o manual" tão a finco que você se pergunta "tudo bem, você está aqui, mas não é muito diferente de ouvir uma gravação". E o filme é tudo isso e todo o resto.

Eu acho que foi um dos melhores filmes que eu vi este ano, senão o melhor. Sensacional.

...

Eu achei que o shopping fosse estar absurdamente cheio e que ir no cinema no último Domingo antes do Natal fosse uma coisa insana, mas até que o cinema não estava tão cheio, dava para andar no shopping e eu consegui parar o carro em uma vaga boa sem precisar circular pelo mesmo lugar 5 vezes. Acho que todo mundo já comprou os presentes que tinham que ser comprados, e o Domingo foi para descansar mesmo.

...

A única coisa ruim de ver um filme sobre pessoas solitárias é que a saudade da família aperta mais. Eu tenho dormido bastante nos finais de semana, e isto me fez pensar que eu preciso ter um pouco mais de energia, principalmente nos dias de inverno. Acho que é chegada a hora de eu balançar um pouco a pança e começar a fazer mais exercícios, ser um pouco mais ativo. O problema é que o frio é foda.

Eu sei que eu já xinguei o frio bastante - mas sabe quando você fica do lado de fora e sente aquela brisa fresca bater no rosto, vinda do mar, do campo ou de onde quer que seja? Então, de Outubro à Abril, esta "brisa" faz o nariz escorrer. Em Janeiro e em Fevereiro, esta brisa pode fazer o seu nariz literalmente cair. Eu agora já me visto melhor do que antes (é engraçado que eu só tenha aprendido a usar o cachecol de forma efetiva recentemente, antes eu precisava de 3 apetrechos para substituir o cachecol, agora só preciso de um), já aprendi a lidar com o carro, entendi que na casa é um "tire ou dê" (give or take), se a casa fica muito quente o ar fica muito seco, mas a opção é deixar a casa muito fria - quem sofre é o Beta, que fica com o metabolismo baixo (porque a água do aquário fica fria), e a ratinha (Gerbil), que literalmente fez uma toca na casinha dela.

Bom, hora de cuidar do estômago (hora de encher a barriga).

Vou tentar aparecer aqui com mais frequência.

Fui!

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Eu até que vou colocar pneus de neve, mas na situação em questão eu acho que não ia fazer muita diferença não. Meu carro não tem ABS e pneu de neve também tem um limite, eu escorregava bastante mesmo com pneus de neve e teve pelo menos uma vez em que eu não ia conseguir parar de jeito nenhum (em uma decida), para minha sorte o carro saiu do caminho e eu passei batido. É como o pessoal fala aqui, mesmo com pneus de neve, não dá para tentar brecar no semáforo em rua que ainda está coberta de gelo, a melhor coisa é começar a brecar bem antes e ir deixando o carro parar.

...

Estou ouvindo Time, do Pink Floyd.

Eu sei o quanto eu gosto de ouvir música pelo tanto que eu me empolgo ouvindo música.

Fui!

domingo, 13 de dezembro de 2009

The big freeze (e alguns curtas)

City of Steam
(Flickr)

Calgary e toda a região das pradarias (Alberta, Manitoba, Saskatchewan) andam mergulhadas em um frio ártico. Neste momento, a temperatura é de -28C. Yep. -28. Celsius. Eu fico tentado à dizer que está "um frio dos infernos" mas eu acho que o que seria mais certo é "um frio celestial", já que o inferno é sempre quente e o céu sempre está aquele azul meio branco, mas ou menos como Calgary fica nos dias de frio, neve e sol.

Todo verão eu esqueço como é o inverno. Por exemplo, as duas garrafinhas de água que ficaram no carro nunca mais vão descongelar. Eu abro a porta de casa e sai muiiiito vapor de casa (já que eu deixo o umidificador ligado direto para poder respirar mais confortavelmente), o pelo do nariz congela, o carro fica todo duro e barulhento (e a tela do LCD do GPS fica lerda), mas pelo menos eu aprendi, finalmente, como usar um cachecol direito, seguindo as dicas da Soraya (minha esposa) e vendo o povo do trabalhar ir trabalhar sem gorro, mas de cachecol.

Faz umas semanas eu subi na guia e amassei a roda do carro (de leve, mas a difeção balança um pouco nos arredores dos 60Km/h). Ontem eu estava vindo para casa e, aqui pertinho, estava indo mais perto do que as condições da estrada permitiriam (20 metros à 40Km/h, o que é MUITO espaço para um dia seco, mas nem tanto para estradas com gelo - acho que a distância segura deve ser umas duas quadras, só para garantir), quando o "irresponsável" (eu queria xingar outras coisas) na minha frente AFUNDA o pé no breque para entrar no condomínio onde ele morava.

Ele devia ter pneus de neve e ABS. Eu não tenho nem um, nem outro. Quando eu vi ele brecando, pensei "cacete, fodeu!", tentei brecar, óbvio que nada aconteceu, tirei o pé do breque, virei o volante para a esquerda, e acho que tive a mesma sensação que o capitão do Titanic teve na hora que ele viu o Iceberg - "vira, porra, vira porra, vai dar? vai dar? vira, porra". E o carrinho virou! Eu acho que eu escapei do carro na minha frente por uns poucos centímetros, mas do que eu não consegui escapar foi do "meio", aquele pedaço de calçada ou sejá lá o que for que separa as duas vias. Graças à toda neve no chão o carro nem sentiu a subida, e graças ao frio eu não bati no carro que poderia estar à minha esquerda (eu virei sem olhar) e nem em nenhum pedestre (eu saberia se tivesse algum e provavelmente iria escolher a batida neste caso), já que ninguém estava na rua em uma noite de -27 graus.

Agora eu sei porque o pessoal que colocou pneus de neve no carro fala que colocou porque, todo dia, ao sair de manhã e ligar o carro, se fazia a pergunta:

- Será que é hoje que eu vou me envolver em um acidente?

Neve e gelo não são legais para dirigir. Quer dizer, a neve até é divertida, mas o gelo é um saco.

PS:

Tá muito frio.

...

Nestes dias de dono de casa, eu tenho jogado videogame, dormido, hoje eu arrumei a casa, mas não tem muito o que fazer num dia de -28 graus. Sério, a quantidade de camadas de roupa necessária para isolar o frio do lado de fora é, desculpe o uso amplo da palavra, brochante. Hoje eu fiquei em casa fazendo nada o dia inteiro, quer dizer, como eu já disse, eu limpei algumas coisas, mas eu pensei - Domingo, -28 graus, neve, frio, carro que demora para esquentar, TV na sala, vou ficar em casa, não vou sair.

Vou ver se no final de semana que vem vou em algum lugar.

Ah, lembrei, fui ver 2012 ontem, o filme em que o mundo acaba. Da hora. O filme é longo e eu tive que ir aliviar as necessidades fisiológicas no meio do filme (eu odeio fazer isso, eu sempre acho que a melhor cena do filme vai aparecer naqueles dois minutos), mas o filme é bom, vale a pena pelos efeitos especiais - vulcão, cidade afundando no mar, prédios desmoronando, Cristo Redentor (é, o do Rio) se despedaçando com narração em Português, aviões esplodindo, tsunamis, acho que não faltou muita coisa não. Vale a pena se a alma é pequena.

PS: Estava vendo Predador 2 ontem (um filme tosco quando comparado ao primeiro Predador), e em determinada hora do filme o enfermeiro da ambulância ausculta (com aquele negocinho de ouvir o coração) a mulher que acabou de sair do tiroteio, e...

- Ele auscultou a mulher por cima de uma camiseta, um sutiã e um casaco;
- Ele ainda por cima ouviu dois batimentos cardíacos, o da mulher e o do bebê que ela estava carregando.

Sensacional.

Bom, hora de ir!

Fui!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Preciso achar um outro aplicativo para me mostrar a previsão do tempo:



O meu não anda muito confiável.

Está caindo uma neve tão leve, mas tão leve, que dá para ver os cristais de neve, já que eles não estão caindo um sobre os outros. Da hora.

Bom, hora de trabalhar.

Fui!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Ontem, vindo para casa, reparei que o farol esquerdo do carro não estava funcionando. Como estava FRIO, mas FRIO, e o ar QUENTE insistia em não dar o ar da graça, resolvi pular a Canadian Tire e vim direto para casa. O farol do meu carro já é ruim, só com um lado ficou uma desgraça.

Bom, hoje eu fui na Canadian Tire. Peguei um farol que prometia mais luz do que o original, achei que fosse o meu, mas resolvi perguntar. O cara me diz que não é aquele e pega uma caixinha com dois faróis dentro e a promessa de enxergar MUITO, mas MUITO MAIS do que com o farol normal. Fui pagar. 56 dólares. Cancelei a compra e fui devolver os faróis - amigo, muito caro, amigo! Peguei dois de 15 dólares (iluminam 25% a mais), a palheta para o vidro de trás, a luz que ilumina a placa do carro, pilhas para casa (controle do Wii, controle remoto), e lá fui eu, em um dia de neve, num frio do cão, arrumar o carro.

Primeira coisa a fazer - trocar a palheta. Consegui tirar a palheta antiga, quase destruindo a danada, mas não consegui tirar uma pecinha plástica que fica no meio da palheta. Ok, plano A falhou, vamos para o plano B, trocar o farol do carro.

Puxa, estica, puxa, estica, vira, e nada do primeiro encaixe do farol sair. Tinha uma maldita de uma trava, e lá fui eu comprar uma chave de fenda/ philips (tudo junto, bem legal, 10 dólares) para me ajudar. Volto para o carro, ligo o carro, ligo o farol, e o farol que estava queimado... Funcionou!!!

Eu pensei "mas que porra", e então deduzi que talvez o farol tenha perdido o contato quando eu assassinei a guia com a minha roda esquerda. Talvez. Mas eu já estava no inferno, fui abraçar o capeta. Agora eu vou acabar. Xinga mais uns cinco minutos, e pá - solto a trava. Depois disso foi profissa - tirei uma pecinha plástica que fica em cima de tudo, tirei o farol, coloquei o outro sem encostar no vidro, e repeti o procedimento do outro lado (que era o lado fácil) bem rápido. Assim, que nem um mecânico de verdade. Me dei um tapinha nas costas e fui para o desafio número 2 - a palheta do pára-brisa traseiro - e a chave de fenda fez o trabalho por mim.

Sensacional. Vamos trocar a luzinha do farol. O lance da luzinha do farol é que o negócio é meio enroscado - tira dois parafusos Philips, põe no bolso para não perder, beleza. Tira capa plástica engraçada, beleza. Tira o negócio da lâmpada de dentro do troço de fora, ok. Tira lâmpada antiga, põe lâmpada nova, e TCHÃM! A luz acende! Sensacional. Mas aí é hora de fazer tudo isso na ordem reversa, e para encaixar de novo o negócio da lâmpada no troço de fora? Um PUTA frio, eu sem luvas porque luva que permite fazer alguma coisa de útil com as mãos são as dos astronautas da NASA, encostando no metal do carro (frio para caralho), sem sentir nada, e a única coisa que eu percebi é que a minha mão esquerda estava doendo. Fui colocar a mão na mão e senti o contato só em uma das mãos, a outra já estava anestesiada por causa do frio.

É, é frio. Acabei o que tinha que fazer, voltei para o carro, vim para casa.

E vivi feliz para sempre.

Fim!

...

Amanhã eu tenho que ir pegar um "T" na Shaw para poder ligar a TV (não só o DVD) na sala. Hoje eu comecei a preencher a papelada para renovar o visto (na verdade, eu até acabei), mas não pude fazer tudo porque eu paguei umas contas no cartão, mas até Sexta-feira já mando tudo. Sábado vou ir tentar achar uma roda usada, velha e redonda para substituir a roda usada, velha e não mais tão redonda que me sobrou. Amanhã vou tomar uma cerveja com o povo do trabalho antigo, e depois, sei lá.

Sim, eu não tenho feito muita coisa ultimamente, por isso o post narrando as aventuras automobilísticas.

...

PS: A Soraya chegou bem no Brasil. Se ela tivesse ido por Toronto, ia ficar presa por lá. Mas por Dallas foi tudo absolutamente tranquilo. Sensacional.

Bom, hora de ir dormir.

Fui!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Acho que eu já trabalhei bastante

Ou, melhor dizendo, já fiz bastante:

. Trabalhei de manhã;
. Levei a família no aeroporto, comemos, fomos no guichê da Air Canada;
. Voltei para o trabalho, trabalhei;
. E aqui escrevi.

Vou é passar na locadora alugar um filme e testar a TV na sala. Quer dizer, vou na locadora alugar um filme, transferir a TV para a sala, e então testar a TV na sala. É praticamente meu sonho de consumo.

Hoje eu pensei em trabalhar até mais tarde, mas já escrevi "public", "void", "var X = Y;" e já quebrei a cabeça com o Flex que não vê o Java demais por um dia. Off. Agora é algum filme, uma pipoca, uma cachaça, e dormir na sala vendo filme. Quer dizer, no quarto. Eu nunca liguei de ver TV no quarto, sempre achei sala mais legal para este tipo de coisa.

É estranho estar sozinho em casa. É um misto de saudade com a euforia de poder bagunçar a casa (ou seja, levar a TV do Basement para cima), e de não saber se o peixe vai sentir minha falta ou não. Ou da Soraya.

Acho que eles devem estar saindo agora para ir para o Brasil.

Bom, vou para casa. Não importa que hora eu chegue ou que hora eu vá embora, eu sempre chego antes do John e do Mohammed. Este povo trabalha demais, peloamordedeus.

Fui!

Família indo, e eu aqui fico

No Sábado eu e a Soraya e o pequeno estávamos jogando Uno (um jogo de cartas que as crianças conseguem jogar), e o Arthur ficou bravo com a gente porque ele perdeu, ou porque a gente disse que ele não podia colocar o fio na tomada, ou algo assim - alguma coisa na linha de "bons pais que querem que o filho continue saudável". Nesta mesma hora, estávamos ouvindo Pais e Filhos, do Legião Urbana.

Foi impagável, eu e a Soraya cantando em coro para o moleque, que não sabia onde enfiar a cara:

"
...
Você me diz que seus pais
Não entendem
Mas você não entende seus pais...
Você culpa seus pais por tudo
Isso é absurdo
...
"

(para ouvir) PS: Eu gostaria que o Legião Urbana tivesse feito mais clipes só para evitar estas interpretações pessoais...

Impagável.

Bom, falando de família, hoje a Soraya e o Tutú foram para o Brasil. A gente se enrolou um pouco mas depois tudo deslanchou, me parece que o vôo chegou em Dallas 15 minutos mais cedo e, se tudo deu certo, é para os dois já estarem voando para o Brasil.

Depois eu conto mais dos meus dias de solteiro lá em casa. A primeira coisa que eu vou fazer é transferir toda a parnafenália eletrônica do porão para a sala, vai vendo. Vou fazer isso hoje. Assim posso deixar o porão em paz, e o porão pode me deixar em paz também.

Fui!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Coooooooooooooooooold



Vou colocar um link para o post do Karlson que explica melhor o que anda rolando aqui nos últimos dias...

http://fortalezacouple.blogspot.com/2009/12/tempestade-artica.html

Tá frio.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

You got to love the winter

Este é o slogan de um comercial da Canadian Tire sobre pneus de neve. Vem bem a calhar, pois depois da nevasca que ainda insiste em cair hoje, tive o meu primeiro contratempo de verdade - um pneu na guia.

Foi barulhento. A roda amassou. O pneu, não furou. O volante, não entortou. Mas a roda amassou, e eu espero que o pneu não murche até a hora de eu ir embora (deve ser sensacional ter que trocar pneu em um dia de neve). Eu espero que o amassado da roda tenha sido suficiente para absorver todo o choque do impacto.

Soraya, eu sei que esta não se encaixa na categoria de "falar mal de você"! Eu sei que você não ama a Van como você amava o nosso Uninho no Brasil, mas foi mal de qualquer jeito.

Eu ainda acho que estou dirigindo com os pneus de inverno, e é chegada a hora de me adaptar mesmo ao clima de Dezembro.

Fui!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Sleepless in Calgary

A mulher me enxotou da cama e aqui estou escrevendo no blog.

Hoje, esfriou. A temperatura caiu para -13 graus. Se fosse o meu primeiro inverno aqui eu estaria super hiper mega animado (o meu olho crítico me diz que mais de um adjetivo de humor = gay = mas a frase ficou legal, então vai ficar aí de qualquer jeito) de encarar uma temperatura nunca antes encarada, mas eu vou esperar para dizer "está frio pacas" quando os termômetros cruzarem a linha dos -25 graus. Este dia deve chegar logo.

Não que os -13 graus sejam assim, um passeio no parque. Hoje eu fiquei tremendo de frio debaixo de incontáveis malhas de materiais sintéticos e naturais. Se eu fosse mais rico, seriam mais materiais naturais do que sintéticos, mas a situação é a oposta. Estes dias fui no Wal-Mart e vi um pacotaço de meia por 7 dólares (10 PARES!!!), mas depois do pé suar que nem um desgraçado no primeiro dia, e do chulé quase me fazer ser demitido (ok, exagerei) durante a tirada do tênis do meio da tarde, fui investigar e descobri que a meia não tem algodão - nada - niente - zero. Acho que aqueles nomes todos na etiqueta só querem dizer uma coisa - a meia é feita de petróleo, basicamente.

É negada. Algodão é algodão e não tem poliqualquercoisa que vá mudar uso.

Para as roupas de frio, a minha limitada experiência me diz que existem alguns tipos:

... eu tinha escrito uma lista enorme ... mas na verdade a lista é pequena ...

Casaco de frio, tem que comprar à prova de vento, o que significa um casaco feio de nylon do lado de fora. É eficiente. Funciona. Melhor ainda se, na parte interna, ele tiver algum material quentinho, como flanela ou algo que o valha. O forro vai ser de material sintético (para os mano) ou de material natural, como penas de ganso (para o doutor). É importante que o casaco tenha uns elásticos aqui e acolá para fazer ele "grudar" no seu corpo e deixar o ar frio do lado de fora. É importante que o casaco seja leve e flexível (mais uns pontinhos para os casacos de nylon).

A Soraya tem um casaco/ tubo marrom que ela odeia, mas que é quentinho. Eu preciso comprar um casaco que seja um pouco mais bonito do que aquele, o que não deve ser uma tarefa muito difícil. Eu sou o "Zé eficiência sobre a beleza", mas nem sempre um Volvo resolve tudo (Volvo aqui é sinônimo de carro bom mas feio).

Meu casaco é azul, cinza, quente, velho, bom e eu ganhei de um amigo meu que desistiu do Canadá quando o chefe deixou de pagar o salário. Na verdade eu acho que eu levei a mala de volta menos este casaco e duas calças. Era um misto de inverno começando e salário minguando - era a hora de calças as sandálias da humildade e vestir as roubas chupinhadas doadas.

O inverno me lembra de duas coisas da qual eu desencanei completamente, patinar e usar botas de neve. Ambas pelo mesmo motivo, os meus pés sofriam em uma dor agonizante após estas atividades. A bota de neve, eu dei um jeito, comprei um tênis bom e uma meia melhor. Patinar, eu posso viver sem. Parece ser muito bom, parece ser muito legal e, principalmente, parece ser muito mais fácil do que é. Eu não preciso amar o inverno, eu sou do Brasil e posso xingar o frio o quanto eu quiser. Esporte de inverno é o c*, um dia eu até vou tentar esquiar, mas tenho certeza que não vai ser a mesma coisa que é descer uma duna (minha experiência se resume à uma descida e à quase morrer de exaustão na subida - subir na areia é como a lesma que sobre 10 centímetros de dia e desce 5 à noite - cada passo tem metade do efeito).

Sabia que ducha elétrica é coisa do Brasil e de mais uma meia dúzia de países no mundo? Se você quiser deixar algum Canadense de queixo caído é só contar que você tem uma resistência elétrica em contato com a água 10 centímetros acima da sua cabeça, normalmente com o fio terra ligado no encanamento, o que faz com que o registro dê choque - e aí você conta a história dos chinelos de borracha (rubber slippers) na beira do chuveiro para o banho não dar choque.

Depois você conta de como o fio pode explodir se você for um eletricista tão bom quanto eu. Ou de como a resistência queima mês sim, mês também. Ou daquele arame amarrado no chuveiro para ele não cair. Ou de como é difícil achar o equilíbrio entre a água bem quente/ não desligar o chuveiro nos raros dias de frio.

Pode ter certeza que depois dessa você não terá adicionado um turista Canadense aos inúmeros (ah ah) turistas estrangeiros que o Brasil recebe. Mas, para contrabalanças, mande o gringo/ gringa ir comer em um restaurante Brasileiro e explique que em qualquer esquina a comida é caseira, é boa, e é salgada como tem que ser. Pode ser então que a situação fique empatada.

Bom. É hora de ir dormir. No Havaí. Aqui já passou, agora é 1:22 da manhã.

Fui!