terça-feira, 26 de agosto de 2008

JANELA!

Hoje eu comecei no escritório novo.

E, que nem a Soraya no vôo para o Brasil, eu sentei na JANELINHA.

Sabe? Quando dá para ver o lado de fora? As árvores, os passarinhos, as casas, os carros, os fios e os postes, os aviões passando lá em cima, aquela chuva que está lá longe, que você olha e pensa "será que eu vou me molhar?".

Ah, a janela.

Nada como tentar olhar para o monitor do computador e ser ofuscado por um raio de sol que é refletido na superfície da mesa. Depois de passar o dia tentando entender um dos sistemas mais complexos com o qual eu ainda vou trabalhar, me estiquei na cadeira, coloquei as mãos atrás da cabeça e fiquei conteplando o espetacular sol das quatro da tarde. Dez segundos depois, preocupado com o fato de que eu não estou mais camuflado em uma sala onde ninguém aparece, resolvi contemplar o sol mais discretamente.

Minha janela não tem vista para as montanhas. E não faz mal. Dá para ver o céu, a terra e eu vou colocar uma foto do mar em algum lugar. Muito bom.

A mesa não é do Paraguai e a infra-estrutura de lá é decente. Mas isso não importa.

Eu tenho uma janela.

Não é exagero. Hoje eu vi o quanto uma janela faz falta. Que nem aquela atriz no filme Casablanca E o Vento Levou que, em cima de um morro ou algo similar grita "EU NUNCA MAIS PASSAREI FOME", hoje eu pensei "EU NUNCA MAIS TRABALHAREI EM UM CAIXÃO DE CONCRETO VAGABUNDO SEM JANELAS".

Janela sim. Parede não.

Quando eu era criança lá em Caraguatatuba eu fui por algum tempo em uma psicóloga. Toda vez que eu ia lá eu ficava na janela pendurando coisas do lado de fora. Ela me disse que eu tenho uma necessidade de liberdade. E hoje eu pensando "Janela ainda que tardia".

http://images.google.com/images?q=janela

Bom. Janelas à parte, foi tudo bem com o vôo da Soraya para o Brasil. Ela vai escrever mais depois, mas a seleção Brasileira de vôlei estava por lá, assim como vários outros atletas. Eles chegaram super bem (ela e o Arthur), o Arthur está super feliz e ela também, embora bem cansados (ela, porque o Arthur está no 220V).

E eu fui!

5 comentários:

Luiz Alberto disse...

Oi Ravi, num foi E o Vento Levou..., não? Quando Scarlet fala nunca mais passar fome, em cima de um morro na fazenda Tara? =]
Abração, Luiz

Ravi disse...

Boa, valeu.

Até já arrumei!

Thiago disse...

E ai Ravi tudo bem? aqui é o Thiago Cruz do ceara !! Primo da Sô!
Olha só q coisa fantastica !!!!
tava procurando imagem no google imagem daquela folhinha q tem na bandeira do canada!! e olha só o q eu axo, o blogger do marido da minha prima, muito foda q coincidência, e n só é isso eu trabalho em uma marka d ropa masculina como nome CALLGARY!!!
um abração em todo!!!
simmm q quando é q vc vem aqui rapaz???? vc tem conhecer o ceara!!!
fuii!!!1

Pinguinland disse...

Fala Shankar!!

Q bom q tem janela - daqui a pouco podera contemploar a neve caindo... rsrs

Parabens pelo carrinho e manda um beijao para a Soraya e o Tutu!!

Ceci

Eliane disse...

Emocionante o teu relato da janela, eu que acompanho a tua saga, senti essa emocao.
Beijos, Eliane.