terça-feira, 29 de julho de 2008

Algumas coisas com a qual eu já me acostumei aqui...

Transporte

Fazer o itinerário da viagem de ônibus, com horário de saída e chegada, no site do departamento de trânsito:


(este é o trajeto que eu costumo fazer todo dia de casa para o trabalho - bom saber que se eu pegar o ônibus de 8:04 eu chego aqui no horário)

O site da prefeitura de São Paulo tem um sistema para consulta às rotas mas o coitado fica no chinelo perto do de Calgary. Em São Paulo você tem que saber direitinho o endereço da parada de ônibus (perto de qual cruzamento a parada está), e aqui é só colocar a origem e o destino que a rota é traçada para você. E funciona!

E também saber que hora que vai passar o próximo ônibus:


(não é tão importante em dias de semana quando os ônibus demoram no máximo 15 minutos para aparecer, mas em finais de semana, quando é de meia em meia hora, é legal saber para não ficar plantado no ponto de ônibus por muito tempo)

Doidinhos

Ver os doidinhos na rua, nos ônibus, nos trens e em outros lugares. Eu falo para a Soraya que o Canadá deve ter a mesma proporção de pessoas com síndrome de Down, altismo e retardos mentais que o Brasil ou qualquer outro país do mundo, mas aqui a sociedade estimula e dá suporte para estas pessoas levarem uma vida mais próxima do normal.


(poster do filme O Oitavo Dia, é a história de um homem de negócios que conhece um rapaz portador de síndrome de Down, e como isso afeta a vida de ambos. É um dos filmes que devem ser assistidos, se você não viu ainda)

De todas as outras coisas ditas de uma sociedade de Primeiro Mundo ou de um país como o Canadá, esta é uma das que eu acho mais virtuosas - igualdade. Pelo menos aqui em Calgary ser idoso, estar preso à uma cadeira de rodas ou não ter uma cabeça igual aos demais não é motivo para ficar preso em casa. Hoje mesmo quando eu estava vindo para o trabalho tinha uma guia com um rapaz com síndrome de Down e uma menina que parecia meio autista, eles estavam indo para o aeroporto mas perderam o ônibus, e iam até o Tim Hortons tomar um café para depois continuar o passeio. E o rapaz com síndrome de Down parecia o Arthur cumprimentando os motoristas de ônibus, "Good morning", "Have a nice day", "How are you today?" e poraí vai.

Confesso que fiquei com um pouquinho de inveja sobre ir passear no aeroporto, eu particularmente acho um lugar bem legal, não só pelos aviões em si, o que já valeria a viagem, mas pelas pessoas em si:


(o começo do vídeo eu acho meio chatinho mas a parte do aeroporto é bem legal)

O nome do filme é Love Actually, e um dos diálogos que eu gostei do filme é este (na verdade é mais para monólogo):
Prime Minister: Whenever I get gloomy with the state of the world, I think about the arrivals gate at Heathrow Airport. General opinion's starting to make out that we live in a world of hatred and greed, but I don't see that. It seems to me that love is everywhere. Often it's not particularly dignified or newsworthy, but it's always there - fathers and sons, mothers and daughters, husbands and wives, boyfriends, girlfriends, old friends. When the planes hit the Twin Towers, as far as I know none of the phone calls from the people on board were messages of hate or revenge - they were all messages of love. If you look for it, I've got a sneaking suspision love actually is all around.

Eu tentei achar o vídeo desta parte mas eu não consegui, infelizmente.

PS: Como diria Clint Eastwood, "It takes a real man to bring in a lady in a pink Cadillac.", eu diria que "It takes a real man to talk about a romantic comedy and airports".

PS: Veja o filme "O Oitavo Dia". E também "Love Actually", não é tão bobinho quanto parece. E depois alugue "A noite dos mortos vivos" para relaxar o cérebro.

Comida

(nota: estar ACOSTUMADO não quer dizer que a comida daqui seja MELHOR, o corpo humano é uma máquina adaptativa e a gente tem que se adaptar mesmo)

Bom. Pois é. Lembra da história do Pois é? É a história de um cara que tinha um carrinho velho e toda vez quer perguntavam para ele como é que o carrinho andava ele dizia...

- Pois é (história triste aqui)

A comida aqui é mais ou menos assim - "Pois é". Quem viu Ratatouille vai lembrar da cena em que o antagonista do filme, Anton Ego, prova a refeição preparada por Remi, o rato, e na primeira mastigada deixa cair a caneta e se lembra de uma tenra imagem de sua infância, com a sua mãe lhe servindo um belo e colorido prato com um recheio idem, após ele ter caído de bicicleta ou algo assim.

Pois é. Aqui, é mais difícil isso acontecer. Para mim, impossível. Aqui não tem Catupiry. Isso meio que já zera esta possibilidade. Mas, embora a comida nos shoppings seja "so so", existem restaurantes que tem uma comida mais caprichada (e conta idem). Mas a média das refeições nos "average restaurants" para os "average joes" não é grande coisa. Você coma e pensa "é, até que está bonzinho", e aí se lembra que no Brasil qualquer restaurantezinho tem um picanha escondida em algum lugar e bate aquela saudade.

TV

Já me acostumei com a TV também, embora também seja só "acostumado". De vez em quando a Soraya esquece que está aqui e tenta trocar de canal e achar a Globo. De vez em quando eu tento achar algum filme que não seja de antes de 2005. Busca inútil. Acho que vou assinar a TV Digital e vê se faz alguma diferença.

Propaganda

Lembrei de mais uma coisa. No Brasil os publicitários capricham mais nas propagandas. Vou colocar o anúncio de uma loja de maiôs que saiu no jornalzinho do metrô hoje e, acreditem, não vou precisar dizer mais nada depois disso:

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi, eu achei a propaganda bem realista. Aqui no Brasil em todo comercial de roupa intima ou biquine as pessoas são modelos perfeitos. 90% da população não é assim. Quem não está em forma acaba por não se identificar com o produto e não o compra, o que é o meu caso :-)
Fiquei preocupado com a questão da comida... talvez eu tenha de fazer um regime forçado por essas bandas, aí vou, finalmente, ficar em forma!
Abraço.
Rodrigo Cardoso

Soraya Cruz Wallau disse...

Gostei muito desse post!!!
A propaganda podia ser realista, mas com melhor gosto na escolha dos produtos, né?! Mas tudo bem as pessoas por aqui vão na piscina de roupa, usar uma sunga horrenda dessas e um bikini idem nem é tão mal quanto os trajes q já vimos. hahaha.
Bjinhos e continue a sua busca que a família agradece!!!