terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Hábitos, manias e gostos

Eu tenho alguns hábitos na vida. Eu gosto de ver filmes, eu gosto do Discovery Channel, eu gosto do Dirty Jobs, eu já não vejo mais a mesma graça no Mythbusters, eu gosto de ver Mighty Machines com o Arthur, mesmo sendo um programa infantil. Eu gosto muito do How It's Made, e acho que estes são os programas que eu costumo ver na TV Canadense. A gente gostou muito também do Canada's Worst Driver, o Lost volta nesta semana e a gente vai saber o que acontece com aquele povo.

Aqui eu adquiri algumas manias novas. Eu gosto de ficar passando a mão nos vidros dos carros congelados. Nestes dias muitos frios, o vidro do ônibus congela do lado de dentro e eu gosto de ficar raspando o gelo com o cartão do banco (isto também é importante para eu poder enxergar o número da ruas e não perder o ponto). Quando as ruas estão cheias de neve (o que é o caso já tem uns dois meses), o menino não anda mais pela calçada, mas sim pela grama das pessoas na rua. Ele adora pisar na neve com a sua bota de neve que, afinal, deve ter algum motivo para ter o nome que tem. Eu gosto muito de ver a rua antes de dormir (a partir da sala), com a casa toda apagada, quando dá para ver como fica claro do lado de fora.

Eu não gosto muito de limpar a neve, mas tem que virar um hábito porque as pessoas tem que poder andar em paz em frente à sua casa. Faz parte. Eu tenho o hábito de tomar um banho quente e depois mudar a ducha para o frio, mas aqui é meio complicado fazer isso porque a água fria sai a míseros dois graus.

No trabalho eu gosto de tomar um café pela manhã e beber vários copos de água durante o dia. Eu sou a única pessoa que escova os dentes após o almoço aqui e, heresia total, ainda faço um bochecho com Listerine. Manias estranhas deste povo Sul-Americano. Durante o dia eu ouço música clássica quando eu preciso expandir a mente, Pearl Jam quando eu preciso me concentrar, Alice In Chains quando eu quero pensar nas vississitudes da vida, Rage Against The Machine quando o prazo está acabando, Zé Ramalho quando eu preciso lembrar do Brasil, Beatles quando eu ouço falar de Beatles, e poraí vai.

Eu gosto de ficar vendo o vapor que sai da respiração quando a temperatura está para baixo de -20 graus. Não importa se você soprar, se o ar sai pelo nariz ou pela boca, vai aparecer vapor. Eu também acho bonito o rio que cruza a cidade soltando um monte de vapor quando a temperatura é de -35 graus, parece uma piscina quente, mas na verdade ele está quase congelando.

E eu gosto de trabalhar, que é o que eu vou fazer agora!

Fui!

Um comentário:

Soraya disse...

hahaha!!! Rindo muito do Beatles qnd ouço falar de Beatles. Bjos.