domingo, 22 de março de 2009

Eu e a máquina fotográfica

A nossa máquina fotográfica (Powershot S3 IS) foi torturada pelo Arthur, que enfiou o cartão de memória ao contrário e, com toda a delicadeza que Deus lhe deu, empurrou o coitado além do limite da trava que a máquina tinha para evitar que os cartões sejam enfiados ao contrário, e a máquininha apagou.

Literalmente.

Sem sinal de vida algum.

Snif.

Bom, eu quando era mais novo lá em Santos no litoral de São Paulo fiz o curso de Informática Industrial, e quando eu era mais novo ainda eu resolvi fazer o IUB (Instituto Universal Brasileiro) de eletrônica. Animado com a minha experiência teórica e com o fato de eu ter desmontado (e montado!) a secadora na minha casa anterior, comprei um jogo de micro chaves de fenda e fui à luta. O único problema é que agora não tinha como eu tirar nenhuma foto do que eu estava fazendo, já que eu estava desmontando a máquina fotográfica :-) (quando eu desmontei a secadora eu tirei fotos para saber onde encaixar os fios depois).

Foi tudo tranquilo, exceto pelo fato de que existem parafusos de 4 tamanhos diferentes e eu definitivamente vou errar o tamanho de algum, mas paciência. Eu anotei os que eram mais toscamente diferentes e o resto vai no achômetro. O outro problema é que, depois de tirar 4 peças plásticas e duas placas de circuitos integrados, desconectando uns 7 ou 8 plugues e afins (mas estou bem, ainda não quebrei nada), descobri que a p* do slot onde você coloca o cartão SD é soldada na placa principal - vou ter que comprar um ferro de solda (deve custar uns 20 dólares aqui) para poder terminar de arrumar a máquininha.

Detalhe que a máquina desmontada parece um Frankestein. A Soraya, coitada, quase teve um treco quando viu. Se eu não conseguir arrumar a bichinha, ou se o conserto for muito caro, ou se qualquer coisa do tipo acontecer e ela for desta para a melhor, já sabemos que a próxima máquina vai ser:

. Pequena;
. Compacta;
. Diminuta.

Máquina pequena dá para colocar em qualquer lugar e pronto. Óbvio que eu vou pesquisar antes. As minhas especificações técnicas seriam as seguintes:

. Resolução: Entre 4 e 8 MP; (4 MP é o máximo que eu usava na minha máquina que vai até 6 MP);
. Capacidade de tirar fotos em ISO 800 sem um nível absurdo de ruído - embora 400 já tivesse bom;
. Responder rápido quando se aperta o obturador;
. Zoom ótico de 3x;
. Um display LCD decente mas também com aquele lugar para olhar com a máquina colada no rosto;
. Boa capacidade de captar diferenças de áreas claras e escuras (seria "contraste?");
. E outras besteirinhas.

Eu gosto do site dpreview. É bom, tem bastante informação, e dá uma boa ajuda na hora de comprar uma máquina. Vale a pena dar uma conferida. Eu tenho algumas opiniões sobre máquinas digitais:

. Qualquer coisa que se paga por resolução (MP) acima de 5 MP é besteira. Com 5 MP dá para imprimir a foto em uma ampliação de tamanho de capa de revista - se dá para fazer isso, dá com sobra para colocar a foto na Internet ou afins;
. Aliás, se a máquina tem um número de mega-pixels mais elevado, como 8MP ou 10MP ou mais do que isso, pode ser que o tiro saia pela culatra - com os pixels mais "grudados" no sensor da máquina, o calor gerado é maior e o nível de ruído também - neste caso, se você fosse comparar uma foto de 10MP com uma foto de 5MP a de 5MP talvez ficasse melhor.

Eu acho que esta história de MP é desculpa para vender máquina fotográfica - e é um mito o pensamento de que mais mega-pixels signifiquem uma máquina melhor. Eles precisam de um motivo para as pessoas trocarem a sua máquina digital assim como os fabricantes de computadores precisam do Windows novo da Microsoft para venderem unidades mais potentes - no fim, é tudo marketing.

Fui!

5 comentários:

Pai dos trigemeos disse...

Admiro sua 'coragem'. e daria tudo pra ver uma foto da maquina desmontada...

Soraya Cruz Wallau disse...

Você verá, Octavio, pois tenho certeza q ela vai se esculhambar.
Ai Jisuis!!! Minha máquina faz tanta falta...

Marcelo disse...

Ravi, talvez umas coisas que eu pensei qdo fui comprar minha ultima camera te deem uma ideia.
1) Sem partes moveis. Eu escolhi uma camera q nao projeta a lente, saca essas que sao tipo cartao de credito onde nada "salta" qdo se liga a camera? Escolhi essa pq sem parte mecanica a bateria tende a durar mais e pra tirar foto de repente nao precisa esperar o motor estender a lente, o que demora.
2) Movida a bateria (nao pilha). As pilhas deixam as cameras grandes e duram menos. Comprei duas baterias e, mesmo em viagens onde se tira foto o dia todo, eu nunca fiquei na mao. Camera a pilha vc tem a chance de, se acabar a pilha, comprar outra em qq lugar mas vc sabe como é, nunca vai encontrar um lugar q venda pilhas qdo precisar.
3) Seletor de funcoes sem ser aquele botao de girar. Na minha ultima camera aquele botao comecou a pifar, dai eu girava pro desenho de tirar foto e a camera entrava no modo gravacao de video. Pra evitar isso minha outra camera nao tem nada que gire.


Tenho minha Cybershot T5 faz uns 4 anos e continuo satisfeito. As coisas que vou procurar nas proximas cameras sao aquele lance pra atenuar foto tremida (esqueci o nome) e ajustes mais manuais, tipo um iso e abertura maiores mas que se possa selecionar manualmente.

Espero que de pra voce aproveitar alguma dessas ideias.

Abraco

Marcelo disse...

ah, aproveitando, eu fiz PRD e agora sinto falta de poder fazer uns trabalhos eletricos/eletronicos. O IUB é bom pra quem quer aprender eletronica e nao manja nada?

Jão disse...

Realmente a quantidade de MP não dizem nada. Adoro fotos e comprei uma Canon XTI, é uma DSRL muito boa com possibilidade de troca de lentes e que me deixou satisfeitíssimo, aconselho bastante, mas ela é grande, não cabe no bolso e requer um certo cuidado, por isso recomendo ter também uma compacta para pequenos eventos.
O tamanho do sensor é importante, o ISO é importante (a minha vai até 1600 e com boa qualidade)
a lente acima de tudo é importante.

Abraços