terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Cá estou eu aqui, esperando os dados de teste serem extraídos (eu sei que eu tenho falado mais técniquês nos últimos dias, mas é para dar mais "veracidade" ao meu dia-a-dia), só contando os minutos para ver se o traste do programa que eu fiz agora funciona direito (se fica mais rápido), fuçando no Orkut, ouvindo música e pensando em como arrumar a mesa.

E sabe no que eu penso? No mar. O marzão azul sem fronteira trêm bão d'mais. Ele lá, azul, a areia lá, branquinha, e aqui tudo branco. Eu gosto mesmo é de mar. Não que eu seja um rato de praia, eu não sou - a gente até ia bastante com o Arthur na praia perto de casa em Santos, mas o mar lá é mais ou menos. É bom para ele brincar na areia, mas a sensação de arrastar uns 10 sacos plásticos ao se andar naquela areia lodosa não é uma das melhores que existem.

Existem outros mares que são melhores - em que a água é limpa, azul e fria (mas não gelada). Em que o fundo do mar é arenoso e não lamacento.

Mas isso é frescura no fim das contas, eu acho que eu sinto falta mesmo é de ver aquele marzão ali e só saber que ele está ali. Não sei, acho que eu gosto de água. E aqui eu morando no interior, numa das regiões mais secas no Canadá (mas que também tem o maior número de dias com sol no ano). É a vida, esta caipira que nunca viu o marzão azul sem fronteira.

Bom, vamos parar de falar de "trem" e começar a falar das "parada".

Umas das coisas mais engraçadas do inverno é que dá saudade da CHUVA! Faz uns seis meses que tudo que cai do céu é neve. Dá saudade do cheiro de chuva, do barulho da chuva, da lama que fica depois que chove, é engraçado.

Chove chuva!

...

Poxa, o meu teste não funcionou. Ou funcionou bem demais.

Vamos voltar à prancheta.

Fui!

Um comentário:

JHU disse...

Pra vc q é bom em programas e softwares

http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2009/02/25/concurso-vai-dar-us-10-mil-a-hacker-que-achar-bug-em-smartphone/