terça-feira, 9 de junho de 2009

A van vermelha

Pois é.

Acabou o reinado da Mystery Machine. A partir de ontem à noite, o nosso meio de transporte agora é uma Caravan quatro anos mais nova, 1998, com impressionantes 324000 kms no odômetro (mas com o motor e a transmissão que tem a metade disso), vermelha, com tanto pó que eu achei que merecia uma multa hoje depois de bater os tapetes no lava-rápido.

A gente comprou com um tal de Rod, que já vendeu outros carros para outros Brasileiros - a idéia era ir ver o carro e aí decidir se a gente ia querer comprar ou não, mas já sabendo que a gente provavelmente ia levar a caranga já fui com o din-din no bolso. Depois de se perder e dirigir por 3 horas decidimos que, a não ser que o carro estivesse MUITO zoado, ia ser ele mesmo. Deixei a Mystery por lá, ela, coitadinha, com a transmissão pipocando só valia mesmo os 300 dólares que eu acordei com o Sr. Sujinho, dei a diferença e saí com a van vermelhinha.

Suja. Mas suja. Mas, olha, suja. Mas suave, sem chacoalhões quando o velocímetro chega nos 60 km/h, sem transmissão pipocando, sem barulhos estranhos, com o pedal do acelerador macio, com o espelho que não treme, com o rádio que, bem, é exatamente a mesma coisa. Um brinquedo em bom estado para os 1200 dólares que ele pediu. E eu só levei porque uma outra mulher que foi ver o carro não queria uma van vermelha. 1200 dólares e ainda fica querendo escolher a cor do carro!

E tem sete lugares! Yay!

Como eu disse aí em cima, hoje fomos lavar o carro. Muita terra vermelha depois, muitoa espuma no carpete depois, agora o carro está mais limpinho. A idéia é continuar aspirando o carro (em casa mesmo), até que a camada de pó desapareça - mas, olha, está dando gosto de ver. Como este carrinho anda macio, a gente está com mais confiança de pegar estrada.

E não vaza óleo! E o ar-condicionado funciona! E tem porta dos dois lados! Só não tem piloto automático, o que quer dizer que eu vou ter que dirigir o carro eu mesmo. Mas faz parte.

Estamos felizes com o carrinho novo. Se ele andar bem vamos ficar com ele por um tempinho, não só por uns meses como tínhamos pensado. Se continuar como está, vai ser um passeio tranquilo.

O modelo é igual à este:



Claro que 11 anos e oito voltas no mundo depois ela não é mais a formosura da foto acima, mas não fica muito longe não!

E de carro velho o mundo anda! Vantagem por vantagem, continuo sem dívida aqui por estas terras.

É isso aí. Esta van também veio com menos adesivos do que a Mystery Machine. No final de semana o esquema é tirar o resto de terra das juntas do carro, limpar o sistema de ventilação (que está mais ou menos limpo), aspirar, aspirar, aspirar, limpar os vidros por dentro, e ir deixando o carro mais leve.

Vamos ver se agora a gente põe mais o pé na estrada.

Fui!

6 comentários:

Paola Tavares Silva Wortman disse...

parabens pela conquista!! que vcs tenham maravilhosos momentos no carrinho novo!
beijos! paola

Pai dos trigemeos disse...

Ravi,
que baita carro! Por 1200? Inacreditavel! Vai rodar muito ainda. E agora voce pode cantar o rockinho do Erasmo: 'meu carro eh vermelho, nao uso espelho pra me pentear...'
Desejo boas viagens pra voces. Abracao

TC Brazil disse...

Ravi-san, como não sei como era a Mystery Machine, tem jeito de colocar foto dela por aí?

Nê & Lelê disse...

Parabens pelo Tremendão!! rsrs

PIAZZA disse...

BELO TOMOVE RAVI, PARABENS....

Criska disse...

Legal, cabe muita coisa!