domingo, 4 de julho de 2010

Apanhado dos últimos dias

Nota do editor: A minha nova meta é dois posts por mês, já que esta é uma meta que eu provavelmente conseguirei cumprir.

Mudamos.

Foi uma trabalheira danada. Aluguei um caminhão, fiz uma viagem com as caixas (em que eu carreguei e descarreguei o caminhão sozinho), fizemos outra viagem com os móveis (em que eu tive ajuda), e eu fiz mais umas três ou quatro viagens de carro para levar a muamba que sobrou. Tudo isso foi na Sexta-feira retrasada. No Sábado, eu fui até o lixão de Calgary (um deles) para jogar fora uns móveis velhos que ninguém queria. Fica em algum lugar perto da 130 AV e, eu acho, 59 ST SE. Eles pesam o caminhão na entrada, você vai até o lugar onde a mercadoria tem que ser descarregada, para o caminhão, empurra toda a tralha para fora (é uma sensação e tanto jogar uma mesa para fora de um caminhão), e na saída eles pesam o caminhão de novo - no meu caso, 110 kg = 12 dólares. O lugar é interessante, para dizer o mínimo - o que mais me impressionou foi a quantidade de pássaros que sobrevoavam o local. O pessoal (meu chefe) fala que um dos problemas de morar por perto é a quantidade de cocô de passarinho que você vai ter que encarar.

Mudamos.

A casa nova é sensacional. Eu estou muito feliz com a planta da casa. Acho que não é só fase de "encantamento" não. A casa á mais integrada, mesmo com a cozinha sendo mais separada da sala do que na casa antiga. A cozinha, aliás, tem lugar para guardar as coisas e é grande e confortável - eu acho que cozinha de condo sempre é pequena - condo é engraçado, eles fazem um lugar ondem podem dormir umas 15 pessoas, mas onde só duas ou três podem estar na cozinha ao mesmo tempo. A sala é maior, deu para fazer dois ambientes, e os quartos são bons, embora os "das crianças" seja menor que o nosso. Mas o Arthur vai ter o quartinho dele, e a Hannah, o quartinho dela. Eu gosto da vizinhança, ontem eu precisei ir de bicicleta até a Canadian Tire, é tudo bem pertinho, o trêm é aqui do lado, e não tem a Sarcee Trail e seu barulho constante - ou seja, dá para ficar do lado de fora numa boa.

Mudamos.

E, agora que é época de férias, os dêz quilômetros a mais para ir trabalhar viraram só dez minutos à mais. Vamos ver como vai ser depois.

Outras praias...

Na Sexta-feira, o motor de ignição do carro, que já vinha dando sinais de que ia quebrar de vez, quebrou. O carro não ligava. Virava a chave e tudo que vinha era um clique. Tentei, tentei, mudei o carro de lugar, rezei para o Deus dos ateus, bati no painel (funcionou uma vez), e nada. Sábado, tentei de novo, e o carro continuou não funcionando.

Resolvi que ia tirar o motor de ignição (FYI, carro automático não pega no tranco), mas estava com medo de levantar o carro no macaco e morrer esmagado (o carro nem freio de mão tem - ainda bem que tem o "park" do automático para estas horas), e resolvi ligar para a AMA e pedir uma carona até o lugar onde vende a peça que quebrou, mas a AMA me disse que, se eles não arrumassem o carro por lá (ou se eles não deixassem), eu ia ter que pagar pelo próximo guincho. Resolvi ligar para um mecânico, mas aparentemente os mecânicos também tem família, e eles preferem passar um tempo com os seus familiares no final de semana.

Compreensível.

Sem opções, decidi que ia ser eu mesmo que ia resolver o problema. Achei um toco de madeira no formato certo, enfiei ele embaixo da roda traseira (o carro estava em uma leva descida), tirei o carro do "park", e vi que o toquinho podia, de fato, me garantir uma relativa segurança. Levantei o carro no macaco, e comecei a tirar o que eu achava ser o motor de ignição - quando, na verdade, eu estava tirando 1/4 dele, e contaminando tudo com aquele óleo nojento que fica embaixo do carro. A primeira visita à Canadian Tire foi para comprar a solenóide, que segundo os especialistas, é o que costuma quebrar. Pois bem, fui lá, o sujeito me mostrou uma bobina com uns fiozinhos, e eu pensei "WTF?", e voltei para casa para pegar a peça que eu tinha tirado, e o atendente me mostrou o que é o motor de ignição. Descobri que eu tinha tirado a parte certa, mas infelizmente, só tirei parte da parte.

Voltei para casa e fiquei por uma hora tentando tirar o motor de ignição do carro, mas o infeliz do gorila que apertou aquele maldito parafuso fez um bom trabalho, e voltei na Canadian Tire para comprar uma chave que fosse longa o bastante para eu conseguir afrouxar o parafuso.

15 minutos de xingamento depois, consegui tirar a peça inteira - eu talvez conseguisse tirar toda a peça se eu entrasse de verdade embaixo do carro, mas eu tenho muito amor à pele para fazer isso com o equipamento precário que eu tinha.

Com o motor de ignição em mãos, comecei o desmonte - mas, quando eu cheguei na pecinha que eu precisava abrir, me deparei com o trabalho do gorila monstruoso e não consegui girar um parafuso X. Vencido, mas não derrotado, resolvei jogar o "spray mágico de limpeza" (um spray que usa para limpar disco de freio) em tudo, inclusive dentro do motor, e deixei toda a sujeira preta escorrer. Repeti o procedimento em todas as partes, gastei meio rolo do papel toalha limpando tudo, montei o motor, e resolvi colocá-lo de volta no carro (vai que funcione).

Uma hora de xingamento depois, com a proteção do fio positiva quebrada e uma porca (do mesmo fio) mal encaixada, para os quais eu espero que dois metros de silver tape segurem a bronca, e o motor de ignição estava no lugar - a ordem certa é primeiro colocar o motor no lugar e então colocar os fios, mas para fazer isso tem que entrar embaixo do carro, e nem fudendo que eu ficar só com a parte de baixo do meu corpo de fora. Eu tenho fé na silver tape, e semana que vem eu vou levar o carro para arrumar o freio, e aí peço para o carinha dar uma revisada na minha gambiarra (e talvez colocar um fio novo).

Bom, peça no lugar, parafusos mega apertados, bateria reconectada, resolvei tentar ligar o carro, que alegremente respondeu aos meus pedidos e funcionou, redondinho. Desliguei e liguei de novo. Outra vez. E outra vez. E, desta vez, sem clique nem nada. Funcionou que é uma beleza.

Sensacional.

Quase fez valer a pena o dia inteiro gasto embaixo do carro, segurando uma peça de três quilos com a mão esquerda, enquanto tentando prender um parafuso com a direita, tudo isso xingando três gerações de fabricantes de automóveis.

A não ser que eu ache um jeito eficiente de levantar o carro, meus dias de mecânico acabam-se aqui. É muito trabalho. Eu tenho um novo respeito por esta profissão.

E, detalhe - meus dedos nunca vão ficar limpos de novo.

Fui!

6 comentários:

Rachel R. disse...

Eu acho massa suas descrições de consertos no carro. Mas torço para que você troque de carro logo, hehe.

Parabéns pela casa nova!

Soraya Wallau disse...

Muito obrigada, Rachel! Eu tbm torço. hahahahaha.
Marido, eu acho q vc é filho do MacGiver ;)

Criska disse...

Eu acho que vc é doido... Silvertape??? kkkkkkkkkkkkkk

Paola Tavares Silva Wortman disse...

ravi, vc realmente e pau pra toda obra ne?! parabens pela casa nova!
beijos, paola

César, Valéria, Lara e Anaclara disse...

Que a casa nova traga somente coisas maravilhosas.

E a vida segue...

Carlos ( KK ) disse...

Fiquei cansado só de ler.
Cara... liga para o André e pega o telefone do mecânico dele. Parece que o cara faz um bom trabalho e com um preço mais justo.